19/06/2012

Dmae garante a qualidade da água

Em entrevista concedida ao SENGE, o diretor geral do Dmae, Flávio Presser, apresenta o contraponto da entidade à série de reportagens "A Água que Bebemos", publicada pelo jornal Zero Hora, abordando a qualidade dos serviços de água e saneamento em Porto Alegre e região metropolitana.

O jornal Zero Hora publicou uma série de reportagens abordando a questão do saneamento. Numa delas estampou em título “Esgoto é matéria-prima da água bebida pelos gaúchos”. O jornal exagerou? Por que?

Presser – O monitoramento das águas do Lago Guaíba é realizado pelo DMAE há mais de trinta anos e abrange pontos localizados na foz dos rios formadores, na margem direita, na margem esquerda e no canal de navegação. Com o objetivo de avaliar a qualidade da água deste manancial usamos o Índice de Qualidade da Água (IQA), desenvolvido pela National Sanitation Foundation (NSF). Os pontos de pior qualidade são os localizados na foz do Rio dos Sinos e do Arroio Dilúvio em decorrência da maior densidade populacional e conseqüentemente um maior aporte de cargas oriundas de esgotos domésticos. Próximos a estes pontos estão as captações das ETAs Moinhos de Vento, São João e Menino Deus. Mas ao longo da margem esquerda do Lago verificamos uma considerável melhoria da qualidade da água e onde estão localizadas outras três captações do Dmae (Tristeza, Belém Novo e Lami). Outras duas captações de localizam no rio Jacuí e na barragem da Lomba do Sabão. Nosso constante monitoramento mostra que o Lago Guaíba possui um boa capacidade de auto depuração e que parte de nosso sistema capta água bruta de qualidade regular.

Os efeitos das cianobactérias são um problema que chegou para ficar ou é uma lamentável coincidência ter sido verificado em oito dos últimos 10 verões?

Presser – Para que ocorram os processos de floração de cianobactérias é necessária a associação das condições ambientais favoráveis e da presença de nutrientes (nitrogênio e fósforo) em níveis adequados ao crescimento destes microorganismos. No que se refere à concentração de nutrientes no corpo hídrico, poderá ocorrer uma redução significativa a partir do funcionamento das duas Etes que estão em fase de conclusão e que elevarão de 27 % para 80 % a capacidade de tratar os esgotos domésticos de Porto Alegre. Quanto às condições ambientais e climáticas, não possuímos ingerência e não temos condições de prever. Assim, com a retirada das cargas afluentes ao manancial do Guaíba, pretendemos atuar sobre um dos fatores que potencializam as florações e com estas ações minimizar as ocorrências destes processos, mas não temos como garantir que estes fenômenos não venham a ocorrer no futuro.

Zero Hora informa que Porto Alegre trata apenas 11% do esgoto. O Projeto Integrado Socioambiental é um investimento importante. Mas já tivemos o Pró-Guaíba que ficou pelo caminho. Na sua opinião, qual a diferença entre os dois projetos, e o que a população pode esperar do PISA?

Presser – Do Pró-Guaiba resultou a capacidade atual de 27% de tratamento de esgotos em Porto Alegre. O PISA e o SES Sarandi mais do que triplica esta capacidade a medida que eleva ela para 80%. Estas obras, que montam valores na ordem de R$ 450 milhões, estão em fase adiantada de execução e com conclusão prevista para até o final do ano. Por outro lado, com a entrada em operação das obras do Pisa, a população poderá esperar uma recuperação gradativa da qualidade do Lago e nossa expectativa é de que em poucos anos se possa inclusive recuperar a sua balneabilidade. O volume de esgoto tratado é variável, pois temos sistemas que tratam esgotos misto (cloacal e pluvial juntos) e que são extravasados nos dias de chuva. Em 2011 foram tratados 18,5 milhões de metros cúbicos, representando 17% do esgoto produzido.

A exemplo do que ocorre na Saúde Pública em que Porto Alegre recebe diariamente milhares de pessoas em busca de atendimento, o Guaíba é uma calha natural de uma enorme bacia hidrográfica que nele despeja um potencial poluidor provavelmente ainda maior do que o produzido aqui na Capital. É dele que o DMAE capta boa parte da água para ser tratada e distribuída. O que pode, está ou poderia ser feito para reduzir este impacto?

Presser – Nas principais cidades pertencentes à bacia hidrográfica do Guaíba devem ser implantados sistemas de coleta e de tratamento de esgotos, conscientizando a população quanto à importância de realizar as ligações domiciliares à rede cloacal coletora. Promover, também, desde o ensino fundamental, uma educação ambiental adequada à realidade da região. Mas, acima de tudo, devem ser implementadas na bacia hidrográfica do Guaíba as iniciativas previstas na Lei nº 10.350 de 30/12/1994, que institui o Sistema Estadual de Recursos Hídricos, dentre elas o Planode Bacia.

Leia também

29/02/2024

Desconto para sócios do SENGE nas Ofertas do Consumidor Dell

29/02/2024

Parceria sólida: SENGE renova acordo com Unisinos para descontos em cursos

29/02/2024

SENGE celebra com os novos engenheiros formados pela URI Erechim

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato