09/03/2012

Fábricas no Vermelho – A luta contra a recessão

Fonte: Jornal Zero Hora

Se a economia cresceu pouco em 2011, mais complicado é o retrato da indústria brasileira, que mergulhou em recessão.

Apesar das tentativas de frear a concorrência desleal de produtos importados, frear a valorização do real e reduzir o peso dos impostos, o governo ainda não conseguiu encontrar a solução para a perda de importância do setor, que pede mais ação, sobretudo no câmbio.

— Tivemos três trimestres seguidos de taxa negativa. Tecnicamente, a indústria está em recessão — caracteriza Flávio Castelo Branco, gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), referindo-se às quedas de 0,3%, 1,1% e 0,5% que o PIB do segmento teve do segundo ao quarto trimestres do ano passado.

Para a CNI, os efeitos da redução de impostos sobre eletrodomésticos, barreiras para a entrada de veículos importados, queda de juros e arrefecimento da crise europeia contribuirão para uma leve melhora do cenário, mas não uma reviravolta no quadro. Na quinta-feira, a entidade divulgou os números de janeiro, que reforçam a preocupação com o futuro.

— A crise na indústria é muito grave, e quanto atinge essa gravidade não tem uma só causa, mas várias. Também não será resolvida num piscar de olhos, porque não é só da indústria, é do Brasil — avalia Julio Sergio Gomes de Almeida, com experiência de atuação no governo e em entidades ligadas ao setor.

Saída depende de mediação de conflitos

Altos custos, baixa produtividade e câmbio fora do lugar estão entre os motivos das dificuldades, detalha o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Testemunha de embates entre governo e setor produtivo, Almeida afirma que a solução não depende só de vontade, mas da mediação de conflitos setoriais, sociais e políticos envolvidos. Cita como exemplo a redução do juro, crucial para a indústria mas complicado para o setor financeiro.

— Falta mostrar que estamos desperdiçando crescimento futuro. Com a atrofia do setor, quem perde não é o empresário industrial, que pode virar comerciante, mas o Brasil, que perde empregos de qualidade e inovação tecnológica — pondera.

Presidente da IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional, Ingo Plöger propõe o uso do Fundo Soberano Brasileiro para segurar o câmbio.

— Deveria comprar entre US$ 30 bilhões e US$ 60 bilhões, para investir em empresas brasileiras no Exterior, agindo com um banco de fomento. Por comprar dólares, puxa o câmbio para cima — explica.

Alívio na folha a mais segmentos

Entre o arsenal de ações que o governo pretende adotar para ajudar a indústria e impulsionar a economia, está a ampliação dos cortes de impostos sobre a folha de pagamento de mais segmentos. Os próximos beneficiados devem ser fabricantes de máquinas e equipamentos (bens de capital), autopeças, pneus e têxtil. Os dois primeiros setores são importantes para a economia gaúcha, que tem o segundo polo metalmecânico do país.

Esses quatro setores deixarão de recolher a contribuição patronal dos empregados para o INSS, o que aliviará o custo das empresas. Em troca, vão pagar um imposto sobre o faturamento. Segundo uma fonte do governo, as alíquotas desse tributo serão negociadas por setor e calibradas para dar desoneração efetiva à indústria nacional. O governo já começou as simulações. As alíquotas em estudo variam de 1% a 1,5% sobre o faturamento das empresas. Ainda podem cair as alíquotas para os setores que fizeram no fim do ano passado a migração da tributação da folha de pagamento para o faturamento.

O setor de móveis , que pediu para ser excluído da medida em 2011 e, agora, voltou a conversar com o governo, também será incluído nessa nova rodada. Na outra ponta, para tornar mais caras as importações dos mesmos setores, o governo deve aumentar a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre os produtos que vierem do Exterior.

Redução de IPI também deve ser revogada

Também está em estudo a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para máquinas da chamada linha branca, como geladeiras e fogões. A manutenção do benefício, que acaba no fim do mês, depende da presidente Dilma Rousseff. No entendimento da equipe econômica a principal defesa – evitar a valorização excessiva do câmbio – já ocorreu com a atuação do governo na semana passada nas operações de empréstimo externo. O momento agora é o de adotar medidas de estímulo à economia. O foco é a indústria, sobretudo de manufaturados, que continua com um mau desempenho.

O retrato da indústria brasileira

O comportamento dos principais indicadores da produção nacional em janeiro, na comparação com dezembro, ajustados pelo período do ano (com exceção dos indicados):

FATURAMENTO REAL – 1,4%
Foi a segunda queda seguida do indicador, depois da redução de 2% em dezembro, o que configura a recessão técnica da indústria , conforme a CNI.

UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA 0,6%
Apesar do número positivo, a ligeira alta interrompe quatro meses seguidos de queda.

EMPREGO 0,3%
Indicador em alta pelo segundo mês consecutivo.

MASSA SALARIAL REAL*  -10,8%
Este dado não leva em conta o período do ano (ajuste sazonal), mas mostra a menor queda do indicador para meses de janeiro desde 2007.

RENDIMENTO MÉDIO REAL*  -10,9%
Também sem ajuste sazonal, número é considerado normal em termos históricos, após forte crescimento de dezembro.

HORAS TRABALHADAS 0,3%
Apesar da discreta recuperação, indicador vem em queda desde o início do ano passado.

 

 

 

Leia também

12/07/2024

Estado cancela eleição para escolher nova presidência da Emater/RS-Ascar

12/07/2024

ARTIGO | Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo

12/07/2024

Sócio SENGE, proteja sua carreira com o Seguro de Responsabilidade Civil Profissional

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato