22/07/2022

Sindicato começa receber pré-candidatos nas eleições 2022

Como vem ocorrendo nas eleições gerais desde 2012, o SENGE-RS começa a receber visitas de pré-candidatos às Eleições 2022 que em outubro, irão definir a nova composição da Assembleia Legislativa, da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, além do presidente da República, para os próximos quatro anos a partir de 2023.

O primeiro desses encontros ocorreu na última segunda-feira (18), oportunidade em que o presidente Cezar Henrique Ferreira recebeu o engenheiro Luciano Zini que anunciou sua intenção de concorrer a um mandato de deputado estadual pelo PDT. Presentes também os vice-presidentes José Azambuja e Diego Oliz e o diretor administrativo adjunto, Nelso Portelinha.

Zini afirma defender o poder do Estado exercer tanto sua autoridade sobre o planejamento com vistas ao desenvolvimento, quanto promover políticas públicas que favoreçam a retomada do crescimento do setor industrial. O engenheiro foca também seus esforços em temas centrais como a educação, setor produtivo, saúde, meio ambiente e se declara contrário às privatizações das empresas públicas.

O engenheiro respondeu a uma pequena entrevista elaborada pelo SENGE com o objetivo de conhecer melhor sua posição sobre os temas de interesse da categoria. Confira:

 

1) No tocante às políticas públicas, é cada vez mais urgente que o desenvolvimento socioeconômico seja pautado por planejamento de Estado, que supere o imediatismo dos planos de governos contingenciados pela exiguidade das gestões quadrienais. Qual é a sua visão sobre esta situação? E se eleito, de que forma sua atuação parlamentar irá tratar desta questão?

Ao longo dos últimos 30 anos, a democracia brasileira sofreu com diversos males. Primeiro, houve um domínio do discurso econômico neoliberal que delega à competição individual entre empreendedores privados num livre-mercado a promoção da inovação produtiva, inclusive em saúde, educação, infraestrutura, ciência, etc. Segundo, a introdução da reeleição para o poder executivo determinou uma estrutura de incentivos para que resultados de curto prazo produzissem a manutenção de uma estrutura patrimonialista de poder e de cargos políticos. Terceiro, a fragmentação partidária implicou na formação de governabilidade através da delegação dos recursos de ministérios e secretarias para grupos de interesse que não oferecem projeto. Nesse contexto, decorreu a ausência de um projeto de desenvolvimento nacional e regional articulado através da autoridade do poder político. O poder legislativo se tornou um mero balcão de emendas parlamentares para projetos pessoais. Porém, acredito que a crise recente demonstrou à população que a função da política deve ser promover o bem público. Políticas públicas são fundamentais na construção de uma sociedade desenvolvida e justa. Governos eleitos devem apresentar uma concepção de finalidade para as instituições do estado, quais os objetivos e as metas das decisões políticas, quais a origem dos recursos da administração pública e qual a sociedade que o poder constituído almeja construir. Para além de direcionar emendas para as necessidades de suas regiões, os parlamentares têm função de debater projetos propostos pelo poder executivo, analisar se as contas e o orçamento estão ancorados numa visão de resultados de longo prazo, defender os interesses do desenvolvimento regional e nacional, zelar pelos bem-estar dos trabalhadores que são sempre os mais vulneráveis nas relações produtivas, e denunciar contundentemente os desvios de finalidade que não correspondam ao desenvolvimento social. É um dever dos partidos políticos nacionais e de seus representantes pensar sobre a construção de um país economicamente sofisticado, baseado na economia do conhecimento, com educação pública de qualidade, que promova inovação científica, tecnologia local e complexidade industrial, que ofereça infraestrutura de qualidade, que garanta a manutenção de um meio-ambiente saudável para a vida das próximas gerações. A política deve ser pensada no presente com vistas a um futuro melhor.

2) Na sua opinião, qual é o papel do Estado como gestor de setores estratégicos ao desenvolvimento, como saneamento, energia, agricultura e sistema bancário?

Uma vez que a política deve zelar pelo desenvolvimento da coletividade, o estado deve estabelecer controles e orientações para setores estratégicos. Nas últimas décadas, ficou claro que o mercado por si só é incapaz de gerar resultados eficientes em setores estratégicos, porque o lucro privado se sobrepõem sobre o bem coletivo. Logo, é preciso pensar de modo sistêmico para compreender como as decisões políticas numa área impactam nas outras áreas. Por exemplo, o desenho da infraestrutura energética impacta nos custos e nos resultados da produção econômica. Os investimentos em educação definem a presença de competência técnica e científica para ampliar a competitividade das indústrias locais. Um sistema financeiro com juros exorbitantes faz com que a especulação financeira gere mais dinheiro no curto prazo do que o investimento em processos produtivos cujos resultados dependem de um processo de maturação no tempo. Algumas técnicas de produção agropecuária contaminam o meio ambiente. Déficits em saneamento público em regiões urbanas geram impactos na saúde da população. Pensar estrategicamente é integrar as áreas da administração pública numa direção com diretrizes, delimitações, metas, funções, orçamentos, prazos. O poder público deve regulamentar e orientar o funcionamento de setores estratégicos de modo que a agricultura seja eficiente e sustentável, que o setor energético dependa cada vez menos de combustíveis fósseis, que a educação seja em tempo integral, que a ganância do setor financeiro não estrangule a produção econômica, que o esgoto doméstico tenha um destino apropriado, etc. Se o estado deve promover o desenvolvimento dos brasileiros e gaúchos, então não se pode perder o controle de setores estratégicos para grupos privados que com frequência nem nacionais são.

 

3) O Rio Grande do Sul possui um dos mais qualificados quadros técnicos em todas as áreas da gestão pública. No entanto, percebe-se um forte desestímulo e um injustificável desprestígio às carreiras e à atividade profissional: arrocho salarial, nomeações de leigos para cargos de responsabilidade técnica à margem da lei, demonização do servidor e do serviço público, entre outras situações, que comprometem a qualidade dos serviços prestados à população. Qual a sua visão sobre esta realidade e o que pode ser feito, tanto pelo Executivo quanto pelo Legislativo?

A formação técnica é fundamental para a política. É uma ilusão acreditar que existam quadros puramente técnicos e sem ideologia. Todos os cidadãos têm alguma visão política. Contudo, a visão política é qualificada pela formação científica. Os quadros de direção do poder público devem estar alinhados com o projeto de governo, mas não podem estar desconectados do contexto de suas decisões. Isso significa que as lideranças precisam conhecer profundamente o funcionamento de seu setor, devem reconhecer as qualidades necessárias para que as atividades profissionais sejam desempenhadas, e deve compreender que é essencial que os servidores tenham saúde financeira, física e mental. O desprestígio da carreira e o arrocho salarial não produzem eficiência nos gastos, mas sim desestimulam a dedicação dos servidores à administração pública. Isso não significa que a administração pública não deva ser austera. O poder público deve ser criterioso e responsável com os recursos públicos. Assim, acredito que o poder executivo deve selecionar quadros políticos com formação técnica para cargos de liderança de modo que eles possam dar orientação qualificada aos servidores que estejam alinhados com o plano de governo. Os representantes da população trabalhadora devem defender os servidores de abusos e perseguições, devem aprimorar a legislação para que a administração seja qualificada, devem vigiar desvios corruptos de finalidade, e devem garantir que a administração pública seja justa e eficiente.

Leia também

16/04/2024

Sócios do SENGE têm desconto na Especialização em Patologia e Manutenção das Edificações da PUCRS

15/04/2024

Programa SENGE Solidário celebra três anos em evento nesta quinta-feira (18/04). Participe!

15/04/2024

Artigo | Programa SENGE Solidário aproxima quem sabe fazer de quem mais precisa

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato