11/07/2023

A ação deve ser coletiva e urgente: seminário do SENGE ainda repercute na imprensa

O Seminário Mudanças Climáticas e suas Consequências, realizado pelo SENGE no dia 20 de junho, segue repercutindo da imprensa. O evento foi citado em entrevista do Correio do Povo com o diretor de Campanhas do Greenpeace Brasil, Leandro Ramos, que foi um dos palestrantes do debate promovido pelo Sindicato. Confira:

______________________________________________

A ação deve ser coletiva e urgente

Fonte Correio do Povo (09/07/23) – Por Christian Bueller | Foto: Ricardo Giusti

Em recente passagem pelo Rio Grande do Sul, o diretor de Campanhas do Greenpeace Brasil, Leandro Ramos, participou do seminário Mudanças Climáticas, evento produzido pelo Sindicato dos Engenheiros do RS (Senge-RS).

O Greenpeace éuma organização ambiental mundial que está no país há um pouco mais de 30 anos. Tem mais de 200 profissionais a serviço da causa, além de mais de 1,5 mil voluntários evoluntárias espalhados pelas cinco regiões brasileiras, presentes, também, de forma on-line no Conexão Verde.

Ramos conversou com a reportagem do Correio do Povo.

O senhor destacou, durante o evento do Sindicato dos Engenheiros do RS (Senge-RS), o fato de não ser um especialista ou um cientista e, justamente por causa disso, ter um lugar de fala sobre o tema das mudanças climáticas. Para um ativista, como lidar como isso?

Estamos falando de uma crise que impacta diretamente a nossa vida, então, é um assunto de especialistas e também de não especialistas. Uma parte do nosso trabalho no Greenpeace é convencer pessoas não especialistas de que este tema é importante e convencêlos a fazer algo a respeito.

Ao contrário do que muita gente pensa, o problema vai além da temperatura do planeta. Como isso tem se refletido pelo mundo?

A crise climática é um fenômeno que apresenta dimensões muito diversas, muito diferentes. No Brasil, nos acostumamos a situações de eventos extremos: ciclones, secas, chuvas torrenciais. Mas há outros desdobramentos, como o degelo do Ártico, que afeta 40% dos edifícios no norte da Rússia. Em outra ponta, temos a Colômbia, que prepara a primeira lei sobre “migrações climáticas” na América Latina. É interessante notar que um país vizinho está começando esta discussão sobre pessoas que migram como resultado das mudanças climáticas. Um estudo do Banco Mundial diz que, dentro de três décadas, teremos 216 milhões de migrantes climáticos. Na Argentina, o Ministério de Relações Exteriores informou que vai emitir um visto humanitário para pessoas de México, Caribe e América Central que sejam migrantes climáticos.

Que ações poderiam ser tomadas para amenizar este cenário?

Nós, no Greenpeace, trabalhamos com três conceitos básicos: mitigação (formas de reduzir novas emissões), adaptação (sabemos que o planeta já está esquentando, precisamos nos adaptar a essa realidade e os governos precisam ter planos para responder) e perdas e danos (situações que não conseguimos evitar). Por isso, a necessidade de países que contribuem mais para as mudanças climáticas e são menos impactados por elas apoiarem as nações mais vulneráveis. Esta foi a grande discussão da última Conferência das Partes (COP) 27, a conferência do clima da ONU.

Há, portanto, uma relação injusta de quem causa os problemas climáticos e quem é mais atingido?

São as mesmas pessoas que estão pagando o preço. Ela é injusta em vários níveis, ainda mais se tratando da lista de países. Um exemplo é Tuvalu, pequeno país da Oceania, que está sendo engolida pelo oceano. É provável que, nas próximas décadas, tenham problemas graves ali. Na COP 26, em 2021, o ministro de Relações Exteriores fez um discurso dentro da água e uma frase viralizou: “Estamos afundando, mas o mesmo está acontecendo com todo mundo”. Fiji, uma ilha ali do lado, já está se movimentando para realocar cerca de 70 comunidades, como medida de resposta aos impactos. Outro nível de injustiça está mais perto de casa: quem é mais atingido tem raça, classe social e gênero. É um fato e as pesquisas mostram exatamente isso. Um levantamento do Instituto Pólis nas cidades de BelémPA, Recife-PE e São Paulo-SP aponta que famílias negras, pobres e lideradas por mulheres estão mais sujeitas a tragédias ambientais. Isso nos leva a dois conceitos muito importantes: racismo ambiental e justiça climática.

Explique cada um deles, por gentileza.

Racismo ambiental é exatamente esta lógica que vimos no estudo. Há grupos de pessoas que sempre serão os mais impactados, a gente sabe. E são os que pagam preços mais altos. E este conceito está ligado ao da justiça climática. Seja qual for a nossa resposta, precisa considerar este componente. Porque, do contrário, corremos o risco de reforçar injustiças históricas com as quais estamos lidando há muito tempo nas nossas cidades e no nosso país. O que me chama atenção é que estas vozes, dos mais impactados, frequentemente, não estão nos espaços em que discutimos estes temas. E elas precisam estar.

Fala-se na importância da ação individual, mas ela é suficiente no contexto em que vivemos atualmente?

Nossos atos individuais são importantes: questionarmos nossos hábitos de alimentação ou de locomoção, a quantidade de plástico que consumimos. Por outro lado, a crise climática demanda uma resposta que tem de ser coletiva. Tem que ser sistêmica e urgente. Não dá para resolver esse negócio sozinho. Quando alguém pergunta “o que eu posso fazer?”, costumo responder para a pessoa se apropriar do assunto e trazer mais gente. Só vamos conseguir resolver por meio da mobilização, de um movimento climático que seja consistente e consiga mudar dinâmicas que estão muito arraigadas Onde vai ser a COP 28? Em Dubai. Quem será o presidente da COP Um executivo da indústria do petróleo! Em âmbito nacional, ótimo que tenhamos retomado ações contra o desmatamento. Mas isso preciso ser acompanhado. Mais do que isso: precisamos garantir soluções viáveis para a Amazônia. Pensar nas respostas, encontrar caminhos demanda gente, criatividade e ambição. Precisamos de um novo Plano Nacional de Adaptação. Não dá para ficarmos todos os anos naquela lógica de “ah, choveu mais que o previsto”. Não dá. Precisamos monitorar ações em níveis municipal e estadual também.

 

Mudanças Climáticas e suas consequências | Assista palestra de Leandro Ramos (Greenpeace)

 

Mudanças Climáticas as palestras já estão na TV SENGE

 

Mudanças Climáticas: público lota Teatro da Unisinos para o seminário do SENGE

SENGE entrega 324 kg de alimentos a entidade

 

 

Leia também

29/02/2024

Desconto para sócios do SENGE nas Ofertas do Consumidor Dell

29/02/2024

Parceria sólida: SENGE renova acordo com Unisinos para descontos em cursos

29/02/2024

SENGE celebra com os novos engenheiros formados pela URI Erechim

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato