03/05/2023

ARTIGO | União e luta por um país mais justo

Comemoração do 1º de Maio deste ano elegeu agenda prioritária para melhorar as condições de vida da população. Merecem destaque e demandam solução urgente as reivindicações pela valorização do salário mínimo e pela redução da taxa de juros. Leia artigo do presidente da Federação Nacional dos Engenheiros, Murilo Pinheiro.


A celebração do Dia do Trabalhador em 2023 aconteceu sob a tônica positiva da unidade do movimento sindical, o que é absolutamente imprescindível para que sejam preservados e recuperados direitos legítimos. Também se deu sob o imperativo da luta coletiva por melhoria das condições de vida da maioria do povo brasileiro.

Mais que uma comemoração das entidades sindicais, a mobilização em torno da mais simbólica data para os trabalhadores teve os olhos voltados às medidas emergenciais para o combate à pobreza e retomada do desenvolvimento, geração de emprego, além de ações que façam frente às desigualdades de gênero e raça, mazelas lamentáveis da nossa realidade. Por isso mesmo, pautam a continuidade do debate e da reivindicação junto ao poder público, que prosseguem após os festejos do 1º de Maio, realizados nesta segunda-feira.

Entre as prioridades selecionadas para a agenda dos trabalhadores, todas absolutamente relevantes e urgentes, destacam-se dois temas econômicos que precisam ser enfrentados com seriedade e coragem, e até por isso se encontram no topo da lista construída pelo movimento sindical. São eles a valorização do salário mínimo e a redução da taxa de juros.

Estabelecer uma política que eleve a base da remuneração no Brasil é tarefa essencial à distribuição de renda e ao fortalecimento do mercado interno. Além de beneficiar diretamente os cerca de 60 milhões de trabalhadores que têm essa renda como referência, incrementá-la tem efeito multiplicador, inclusive contribuindo para melhores resultados no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

Atualmente em valor muito aquém do ideal para cumprir o que está previsto na Constituição, ou seja, suprir as necessidades de uma família com moradia, alimentação, transporte e vestuário, é fundamental que a meta seja fazer com que o mínimo atinja um patamar mais adequado, a exemplo do valor necessário calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), hoje em R$ 6.571,52.

O primeiro passo nesse caminho é o anúncio feito da edição de medida provisória que o elevará dos atuais R$ 1.302,00 para R$ 1.320,00 a partir do mês de maio. Além disso, conforme informou o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, será enviado ao Congresso projeto de lei que propõe política de reajuste com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do período anterior mais o percentual de crescimento do PIB registrado dois anos antes – se estiver vigente em 2024, considerará o índice inflacionário de 2023 e a expansão econômica de 2022.

O segundo ponto nessa agenda prioritária é absolutamente imprescindível para que seja possível retomar o crescimento econômico no Brasil e, sobretudo, garantir a reindustrialização do País. Trata-se de reduzir a taxa de juros básica definida pelo Banco Central, atualmente em inacreditáveis 13,75%.

Atendendo a interesse exclusivo da especulação financeira e do rentismo, a insistência na Selic estratosférica freia a produção, inibe investimentos e aumenta a dívida pública, dificultando o ajuste das contas do governo. Para piorar, como vários respeitados economistas já demonstraram, não combate a inflação, que, no caso brasileiro, não é causada por demanda, ou seja, por excesso de consumo típico de uma economia aquecida. A disparada de preços se deu principalmente devido a itens como energia elétrica, derivados do petróleo e à alta do câmbio. Portanto, provocar ainda mais retração não trará benefícios ao País. É fundamental que haja convergência entre a política monetária e os objetivos de melhoria das condições de vida da população.

A pauta da mobilização do 1º de Maio é, portanto, certeira e deve seguir adiante, envolvendo toda a sociedade, para que possamos construir um país próspero, justo e democrático. 

 

 Murilo Pinheiro – Presidente da FNE

Leia também

12/04/2024

Dia Nacional de Conservação do Solo: Engenheiros Agrônomos ressaltam a importância da preservação

12/04/2024

SENGE-RS representa engenheiros da CEEE Equatorial em CPI na Câmara de Vereadores

12/04/2024

SENGE celebra conquista dos novos engenheiros formados pela UFRGS

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato