25/07/2013

Cai número de alunos que se formam no tempo ideal em engenharia

Folha de SP – 22/07/13

Dois estudos finalizados recentemente mostram que caiu a proporção de estudantes que se formam em engenharia no tempo adequado.

Com metodologias diferentes, chegaram à mesma conclusão a Confederação Nacional da Indústria e a Universidade Federal de Juiz de Fora.

Para a primeira entidade, a proporção caiu de 48% em 2009 para 43% dois anos depois, considerando o período de cinco anos como o ideal para o estudante se formar.
Já para a federal de Minas, o recuo foi de 58% para 55%, no mesmo período, considerando seis anos como tempo esperado para a conclusão.

As quedas ocorreram em cursos públicos e privados, mas a intensidade nos pagos foi maior. Os percentuais caem quando aumenta o número de evasão ou de reprovação – ou os dois juntos.

O panorama mostra ser necessário discutir mudança nos currículos, melhorias no acompanhamento de alunos e até se é necessário abrir mais vagas, dizem analistas.
A queda na taxa de conclusão não significa, porém, que haja menos concluintes. O problema é que o aumento no número de formandos não acompanha o de ingressantes.
Conforme a Folha informou em abril, o número de calouros em engenharia cresceu tanto que já passou os de direito, pela primeira vez.

Para o ex-reitor da USP Roberto Lobo, consultor da confederação das indústrias, justamente o crescimento dos ingressantes pode explicar o aumento da evasão e da reprovação em engenharia.

"A tendência é que cheguem mais alunos sem base em matemática e física."
Para o diretor de inovação da confederação, Paulo Mól, pesam ainda os currículos (que não têm matérias práticas nos primeiros anos) e a dificuldade para se pagar os cursos (a maioria dos estudantes está em particulares).

Aluna da PUC de Campinas, Carla Moyses Costa, 28, decidiu trancar o curso de engenharia civil devido à mensalidade (cerca de R$ 1.300). "Eu precisava estudar e trabalhar. Ficava cansada. E chegou uma hora que não deu mais para pagar."
CURRÍCULOS
Diretor da Escola Politécnica da USP, José Roberto Cardoso concorda que os currículos devem ser alterados. Sua escola, inclusive, vai aplicar mudanças já em 2014.
Até então, os dois primeiros anos eram basicamente de matemática e de cálculo, modelo padrão no país.

Agora, serão espalhadas até o 3º ano, para que matérias práticas surjam no início. "A engenharia tem de ser vista como algo bom, não como castigo", disse. Os estudos usaram dados do Ministério da Educação. O da federal de Minas é parceria com a Abenge (associação de pesquisadores em ensino de engenharia).

DEBATE RESTRITO

A queda na eficiência dos cursos de engenharia fez com que analistas discutissem se é necessário aumentar mais as vagas na área.

A tese é que, se o aluno não se formou em tempo adequado, é porque ele reprovou muito ou até abandonou. Se esses problemas forem combatidos, é possível aumentar o número de formados, com as mesmas vagas já em funcionamento. "O debate ficou muito centrado em abertura de cursos. Mas se discutiu pouco o que fazer para que esse aluno se forme", afirmou Paulo Mól, da Confederação Nacional da Indústria.

Em nota, o Ministério da Educação diz ser necessário manter a expansão de vagas, pois o Brasil tem, proporcionalmente, menos engenheiros que Coreia do Sul e Alemanha. Para diminuir a dificuldade no pagamento de mensalidades, o governo aposta no Fies (financiamento estudantil) e no Prouni (bolsas de estudos a alunos carentes). O ministério diz que atua na melhoria do ensino de exatas na educação média para atenuar dificuldades na graduação.

Análise: Estudos mostram que cerca de 80% da evasão ocorre no primeiro ano
Os estudos mostram que a principal causa das altas taxas de evasão e de reprovação em engenharia é a condição dos estudantes no seu ingresso: tiveram que escolher o curso muito jovens; muitas vezes não possuem boa base para física, química e matemática; ganham liberdade que não tinham no ensino médio (e podem se perder).
Essas dificuldades fazem com que, de toda a evasão na área, 80% ocorra logo no primeiro ano do curso. E esse é um problema enfrentado em diversos países.
Uma solução que tem sido adotada é a de dedicar o primeiro ano para atividades de nivelamento (não só de conteúdo mas também pedagógico e social) e adaptação do estudante à nova realidade.

VAGAS OCIOSAS

A Universidade Nacional de Rosário, na Argentina (uma das melhores do país), adotou o modelo e inverteu a taxa de evasão que girava em torno de 70% para 30%.

No Brasil, a diminuição da evasão faria com que o país tivesse mais engenheiros, sem precisar aumentar mais o número de vagas.

Como apenas por volta de 50% dos calouros se formam, seria possível quase dobrar o número de concluintes, com as vagas já existentes.

Isso sem contar o número de vagas ociosas na área. Aproximadamente 35% dos postos não são ocupados, apesar de haver uma média de quatro candidatos para cada vaga no país.

A criação ou o incremento de programas para ocupação destas vagas ociosas permitiria aumentar ainda mais o número de formandos.

VANDERLI FAVA DE OLIVEIRA é professor de engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora e diretor da Associação Brasileira de Educação em Engenharia

Leia também

19/06/2024

Conheça benefício da Mútua para profissionais atingidos pela calamidade

19/06/2024

SENGE SOLIDÁRIO | Campanha Solidariedade Técnica já atende demandas da comunidade

18/06/2024

SENGE-RS completa 82 anos de história reafirmando seu compromisso com a sociedade

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato