09/02/2010

Cresce mobilização em defesa dos direitos dos inativos da RFFSA

Depois da audiência com Senador Paulo Paim na semana passada, a diretoria do SENGE-RS intensificou ainda mais a mobilização pela integralidade da complementação da aposentadoria à conta da União para os inativos da RFFSA.
Na segunda-feira dia 8, aconteceram mais duas reuniões com deputados federais da bancada gaúcha. Pela manhã, em Canoas, Marco Maia (PT) recebeu o grupo formado por representação da TRENSURB, com a participação do presidente do SENGE-RS, Eng. José Luiz Azambuja. Mais tarde, em Porto Alegre, Mendes Ribeiro Filho (PMDB) recepcionou representantes da TRENSURB e entidades, tendo à frente diretores do SENGE-RS, os engenheiros Joel Fischmann, Fermin Camison, João Luis Golgo Viana e Jorge Ruschel. Os grupos relataram aos deputados o problema que está acontecendo a partir de janeiro deste ano, ocasionado por uma interpretação equivocada das leis 1.278/50, 8.186/91 e 10.478/02 que tratam da complementação da aposentadoria previdenciária, à conta da União, para os trabalhadores ferroviários.
A complementação para os inativos da extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA) volta à pauta do SENGE-RS, porque mesmo depois de um longo trabalho das entidades e dos profissionais (que em 2008 haviam conquistado a plena aplicação deste direito também aos aposentados), o Departamento de Administração de Pessoal de Órgãos Extintos (DERAP) do Ministério do Planejamento surpreendeu a categoria ao publicar portaria no final de 2009 que, ao regulamentar a questão, aplicava o complemento apenas ao salário efetivo e aos anuênios.
Os Deputados receberam com significativo interesse a documentação encaminhada, que incluiu todo o embasamento legal que sustenta a posição da categoria, além de um completo dossiê elaborado em conjunto por diversas entidades, em que é relatada a trajetória da negociação.

A argumentação apresentada aos deputados foi no sentido de demonstrar que a interpretação equivocada da lei por parte do Governo representa forte dose de incoerência com a política de renovação dos quadros em vigor na Administração Federal, que, por um lado aprova Planos de Cargos que estimulam a aposentadoria – como aconteceu recentemente na própria TRENSURB e, por outro, corta benefícios de quem se aposenta, isso em dois departamentos do mesmo Ministério do Planejamento. Marco Maia se comprometeu em encaminhar o assunto, embora considere uma questão complexa. Por sua vez, Mendes Ribeiro Filho se comprometeu com a idéia de que nenhum direito pode ser negado a qualquer trabalhador por equívocos interpretativos.

Íntegra da correspondência aos parlamentares

Carta nº 012/2010-SG
Porto Alegre, 29 de janeiro de 2010.
Assunto: Complementação da Aposentadoria dos Ferroviários / Desrespeito a Direitos Garantidos por Leis

Prezado Senhor:

Em nome da categoria dos engenheiros do estado do Rio Grande do Sul, integrados à categoria ferroviária, esta constituída de mais de 80 mil trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas em todo o país, o SENGE – Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul, entidade de classe representante de mais de 50.000 engenheiros do estado do Rio Grande do Sul vem respeitosamente expor à V.Exa. o que está ocorrendo com os ferroviários que, ao final do ano passado e início deste, estão requerendo, junto ao DERAP / Ministério do Planejamento, a complementação de aposentadoria à conta da União, conforme disposto pelas Leis 8.186/91 e 10.478/02.

A complementação da aposentadoria previdenciária, à conta da União, é uma obrigação legal, há mais de 69 anos – Lei n. 1.278/50 -, e não um benefício previdenciário. Constitui-se uma das maiores e inalienáveis conquistas dos trabalhadores ferroviários. Direito este conquistado, consolidado e pacificado pelas Leis ns. 8.186/91 e 10.478/02. Desde a vigência destas Leis – há cerca de 20 anos – os trabalhadores ferroviários aposentados tem garantida a sua paridade remuneratória com os ferroviários ativos.

Em passado recente – 2008 -, houve a tentativa, por parte do DERAP – Departamento de Administração de Pessoal de Órgãos Extintos, de regulamentar as Leis da Complementação. No entendimento do departamento a complementação só deveria contemplar o salário efetivo e os anuênios. Após as manifestações contrárias dos órgãos de classe, parlamentares, juristas, entre outros, a proposta foi abandonada, prevalecendo o entendimento de que as Leis eram auto-aplicáveis.

Surpreendentemente, na nova administração do DERAP – 2010 -, as concessões de complementação de aposentadoria são feitas por meio de portarias e publicadas no Diário Oficial da União, verificamos que as mesmas, divulgadas no final do ano passado e início deste, tiveram os valores ali contemplados significativamente menores dos que os ferroviários requerentes recebem em atividade.

Ao examinarmos detidamente os casos, constatamos que só estão contemplados na complementação, o salário efetivo e os anuênios.

Cumpre a observar que o procedimento adotado é o destinado a funcionário público ou estatutário, o que esclarecemos não ser apropriado uma vez que desde 1957, com a criação da Rede Ferroviária Federal S.A – RFFSA, ou seja, 53 anos já passados não foi admitido nenhum trabalhador que não fosse pelo regime da CLT, até por se tratar de uma S.A., a lei não permitiria que fosse de outra forma.

E mais, o valor final é submetido à proporcionalidade em relação ao tempo de contribuição na Previdência, isto é, se o tempo de contribuição do ferroviário aposentado for de 31 anos, sua complementação esta sendo concedida na proporcionalidade de 31/35 do salário efetivo, acrescido do valor dos anuênios. Além disso, o início do gozo da complementação se dá a partir do mês em que foi requerida e não mais a partir de quando se fazia jus ao direito, ou seja, após a aposentadoria previdenciária, conforme o art 4° da lei 8186 / 91, onde este princípio se encontra implícito.

O Art. 2º da Lei 8.186/91, estabelece que “… a complementação da aposentadoria devida pela União é constituída pela diferença entre o valor da aposentadoria paga pelo INSS e o da remuneração do cargo correspondente ao do pessoal em atividade…”. No seu Parágrafo Único cita que o reajustamento da complementação se dará nos mesmos prazos e condições em que for reajustado o ferroviário em atividade, “de forma assegurar a permanente igualdade entre eles.”

Sem dúvida alguma, fica evidente que o objetivo da complementação é o de que o ferroviário ao se aposentar não sofra qualquer perda em sua remuneração. Esse é o principio que norteou a Lei e que tem que ser respeitado.

Examinando os Arts 457 e 458 do Decreto Lei 5.452/43 (CLT), que dispõem sobre a remuneração, fica patente a arbitrariedade cometida, independente de qualquer interpretação legal que queira se fazer, em razão do que estabelece o § 1º do Art. 457 que cita: “integram o salário não só a importância fixa estipulada, como também as comissões, percentagens, gratificações ajustadas, diárias para viagens e abonos pagos pelo empregador”, conjugado com o art 214 do Regime Geral da Previdência Social – RPS.

Todos esses casos e os demais que virão, em que para efeito do cálculo da complementação, o DERAP apenas considera o salário efetivo e os anuênios, contrariam frontalmente o disposto na Lei 8.186/91, fruto da conquista dos ferroviários.

Entendemos que é o momento de alterar o Art. 26 da Lei 11.483, de 31/05/2007, que deu nova redação ao Art. 118 da Lei 10.233 de 05/06/2001, que transferiu a gestão da complementação para o Ministério do Planejamento, fazendo com que retorne ao Ministério dos Transportes, de onde nunca deveria ter saído.

Do exposto, esperamos que o dileto Senador se sensibilize dos malefícios que tais atos arbitrários estão causando às remunerações a que tem direito o ferroviário no momento da aposentadoria, prejudicando o trabalhador na sua expectativa financeira estabelecida em lei.

O SENGE espera e aposta que o ilustre Senador apóie e contribua para que os fatos relatados sejam corrigidos recolocando a família ferroviária nos trilhos da legalidade.

Atenciosamente,
José Luiz B. de Azambuja
Diretor Presidente

Leia também

16/04/2024

Sócios do SENGE têm desconto na Especialização em Patologia e Manutenção das Edificações da PUCRS

15/04/2024

Programa SENGE Solidário celebra três anos em evento nesta quinta-feira (18/04). Participe!

15/04/2024

Artigo | Programa SENGE Solidário aproxima quem sabe fazer de quem mais precisa

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato