31/08/2010

Energia elétrica: Consumo das indústrias bate recorde histórico no Brasil em julho

O consumo de energia elétrica no Brasil no mês de julho de 2010 totalizou 34.382 gigawatts-hora (GWh), representando uma alta de 8,4% frente a igual mês de 2009 e crescimento de 6,0% em taxa acumulada de 12 meses. De acordo com os dados consolidados pela Empresa de Pesquisa Energética— EPE, o mercado nacional contabilizou, no período janeiro-julho, uma alta de 9,7% na comparação com igual período do ano passado.

Consumo industrial

O consumo industrial nacional expandiu 13,7%, totalizando 15.915 GWh em julho de 2010. Este valor representa um recorde histórico para a classe, que havia registrado seu valor máximo no mês de agosto de 2008 (15.823 GWh).

A trajetória recente do consumo desta classe, bem como a evolução dos principais indicadores internos de atividade, evidenciam que a retomada da indústria nacional vem se dando não apenas pelo chamado efeito base da crise de 2009, mas também pelo fato de apresentar viés de crescimento e aceleração das atividades econômicas de maneira mais ampla. Na análise regional, segue em destaque a expansão verificada no Sudeste, que respondeu por 57% do consumo total desta classe no mês de julho e apresentou crescimento de 18,3% frente a igual período de 2009.

Todos os estados desta região apresentaram taxas de crescimento expressivas, entre 14,8% (São Paulo) e 24,2% (Espírito Santo).Embora os estados com forte participação do setor extrativista mineral, como Espírito Santo e Minas Gerais, sigam apresentando os maiores incrementos percentuais, a amplitude dos crescimentos (diferença entre o estado de maior e o de menor expansão de consumo) foi significativamente menor que a verificada nos últimos meses, sugerindo um crescimento mais homogêneo dos diferentes setores da indústria. As regiões Sul e Nordeste também foram destaque, apresentando expansões respectivas de 10,4% e 9,9%. Na primeira, o Rio Grande do Sul registrou crescimento de 12,4%, influenciado pela melhora generalizada da indústria, mas com destaque para a metalurgia. Já no Nordeste, a Bahia (35% do total nordestino) cresceu 10,3%, por influência dos ramos de ferroligas e químico.

Consumo residencial

O consumo residencial brasileiro foi de 8.447 GWh, com crescimento de 4,2% em julho de 2010. O número total de consumidores residenciais atingiu a marca de 57,1milhões, representando crescimento de 3,5% frente a julho de 2009. O consumo médio residencial em 12 meses totalizou 155,9 KWh/mês, um aumento de 3,8%. O consumo médio entre janeiro e julho — 157,2 KWh/mês — é o maior desde 2001 (leia mais no box da página 2). As regiões Norte e Nordeste seguem em forte expansão, ambas apresentando taxas de crescimento de 13,9% no mês de julho de 2010 frente a igual período de 2009. Como destacado em edições anteriores da Resenha, essas regiões têm sido as principais beneficiadas pelo aumento da renda, pelos programas sociais do governo federal e pelo aumento da posse de equipamentos eletrônicos. No outro extremo, a região Sudeste apresentou crescimento nulo frente a julho de 2009, decorrência dos fracos desempenhos dos estados do Espírito Santo (-3,6%) e São Paulo (-1,2%). O resultado no Espírito Santo é função tanto do efeito base (em julho de 2009 observou-se expansão de 11,0%), quanto da temperatura baixa (em julho de 2010 foi 1,7 ºC inferior à do ano anterior). Já em São Paulo, um grande agente distribuidor registrou menos 1,6 dias de faturamento, impactando fortemente o consumo desta unidade da federação e da própria região.

Consumo comercial

O consumo comercial somou 5.220 GWh, com crescimento de 4,5% em julho de 2010. Esta é a primeira vez neste ano que o crescimento mensal desta classe assume patamar inferior a 5%. No entanto, a taxa acumulada até julho monta expressivos 6,7%. De fato, a intensificação das atividades de comércio vem se dando em diversos ramos, tais como veículos, motos e peças; móveis, eletroeletrônicos e informática; e materiais de construção. Os destaques de crescimento ficam novamente com as regiões Norte e Nordeste, com taxas de 9,8% e 9,0% respectivamente. A contínua expansão do consumo comercial nessas regiões pode ser em grande parte explicada pelas condições favoráveis de crédito e pelo incremento da massa salarial, que alavancam as atividades de comércio e serviços.

Consumo por residência é o maior desde 2001

O acompanhamento sistemático do mercado de energia elétrica no Brasil tem permitido constatar que o consumo residencial expande a taxas robustas no país desde 2007. A classe mostrou não ter sofrido com a crise financeira de 2008/2009. Ao contrário, demonstrou uma aceleração no ritmo de crescimento, encerrando 2009 com expansão de 6,4%, a maior taxa desde 1998. O crescimento do consumo residencial é disseminado pelas regiões, destacando-se, no período janeiro-julho, um desempenho mais forte no Norte e no Nordeste (respectivamente 14,9% e 14,5%).

Para o Brasil, o crescimento no mesmo período foi de 7,5%. Muito se tem falado dos fatores de estímulo ao aumento do consumo residencial. Entre os fatores estruturais, está um significativo aumento da base de consumidores (para o que contribui o programa de inclusão social Luz para Todos) e a melhoria das condições de trabalho, com a queda consistente da taxa de desemprego e aumento do emprego formal e incremento do rendimento médio real da população. Ademais, a renda disponível no país também aumenta em função dos programas sociais do Governo Federal de transferência de renda, sendo o Bolsa Família o principal deles.

Tais elementos já seriam suficientes para proporcionar um movimento contínuo de aquisição de aparelhos eletroeletrônicos por grande parte da população, assim como a intensificação no seu uso. Mas, em 2010, em adição a tais fatores, o consumo de eletricidade nas residências brasileiras recebeu forte influência do registro de temperaturas mais elevadas, principalmente no primeiro quadrimestre do ano, configurado pelo fenômeno El Niño.

De fato, o consumo residencial em nível nacional registrou no período janeiro-julho o valor médio de 157,2 kWh/mês, inferior apenas aos verificados em 2000 e 2001 e 3,9% superior ao de 2009. Importante assinalar que ocorreu aumento em todas as regiões, sendo que os maiores foram verificados no Norte (9,3% com 155,9 kWh/mês) e no Nordeste (8,4% com 108,8 kWh/mês). A título de referência, um consumo médio mensal de 160 kWh corresponde ao uso de uma geladeira de uma porta, de cinco lâmpadas de 40 W (quatro horas diárias), de uma televisão de 20 polegadas (quatro horas diárias), de uma lavadora de roupas de 500 W (12 dias no mês por uma hora) e de um chuveiro elétrico de potência média de 3.600 W (10 minutos diários para família de quatro pessoas).

Fonte: Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE),

Leia também

21/02/2024

Justiça reconhece que trabalhador despedido após aposentadoria sofreu discriminação por idade

21/02/2024

Curso gratuito sobre mudanças climáticas oferece certificado da ONU

20/02/2024

SENGE celebra com os formandos em Agronomia

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato