19/02/2010

Entrevista com Ceci Vieira Juruá: Classe média engolida pelo Leão

No Brasil, o sistema Robin Hood – de tirar dos ricos para dar aos pobres – está longe de ser realidade. A conta acaba por recair sobre a classe média. A constatação é da economista e pesquisadora no Programa de Políticas Públicas e Formação Humana da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), Ceci Vieira Juruá. 

Nesta entrevista ao Engenheiro, ela é taxativa quanto à necessidade de uma reforma tributária que estabeleça alguns princípios mínimos de justiça fiscal. Entre as iniciativas nesse sentido, sugere refazer a tabela do Imposto de Renda e criar tributo sobre o patrimônio líquido das grandes empresas. Considera ainda essencial repensar o modelo brasileiro de crescimento e aprimorar os serviços públicos.

Você realizou um estudo sobre tributos e serviços públicos*. Quais as conclusões? 

A conclusão básica é que a classe média não recebe em retorno, como serviços públicos, benefícios equivalentes ao que paga em imposto. Por outro lado, as transferências de renda para a população mais pobre, que são muito importantes e sou absolutamente a favor, são financiadas basicamente pela classe média. Nessa comparação, considerei à parte a questão da Previdência Social, porque é um gasto financiado com recursos dos contribuintes do sistema previdenciário em regime de transferências intergeracionais. 

O “patinho feio” acaba sendo a classe média nessa história toda? 

Nessa conjuntura neoliberal, a classe média é o patinho feio, porque inclusive um dos maiores benefícios que ainda tem do Governo, que é a universidade pública gratuita, está sempre ameaçada de extinção, cada vez que se fala em cortar gastos. E ela paga imposto de renda elevado, a alíquota marginal é muito alta, de 27,5%, para salários relativamente baixos. 

Em princípio, o IR deveria ser calculado sobre a renda líquida, isto é, após descontados os gastos vinculados à sobrevivência social. Ora, cerca de R$ 3.700,00 como salário bruto, ou até mesmo deduzida a Previdência, é muito pouco para sustentar uma família de classe média (um casal e dois filhos na escola). Precisaríamos rever essas alíquotas de maneira a reduzir o peso tributário sobre sua renda.

Seria importante que houvesse cobrança de Imposto de Renda sobre dividendos?
Claro. E por que se diz que os ricos, que são uma parcela muito pequena da população, entre 1% e 5%, não pagam imposto no Brasil? Porque os rendimentos dessa parcela não provêm do trabalho, mas de comissões, de juros, ganhos no mercado financeiro e também dos dividendos, que estão excluídos do Imposto de Renda. 

Qual o caminho para mudar isso?

Acredito que precisamos de uma reforma tributária que estabeleça alguns princípios mínimos de justiça fiscal. Isso envolve redistribuição de encargos e benefícios não só entre pessoas, mas também entre entes da Federação. Tenho certeza que esses assuntos são politicamente difíceis, mas é preciso enfrentá-los com muita urgência. 

Em que deveria se concentrar essa reforma tributária?

Quanto aos impostos indiretos, existem alguns bens essenciais que são objeto de amplo consumo de massa e são tributados com alíquotas altas demais, por exemplo energia elétrica. Isso tem que ser reduzido, é muito que se pague sobre a conta de luz 33% de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). 

Do ponto de vista dos impostos diretos, que representam aproximadamente 1/3 do total de tributos arrecadados e 12% do PIB (Produto Interno Bruto), precisamos refazer a tabela do IR no sentido de reintroduzir alíquotas mais adequadas à renda da classe média e também rever as faixas de rendimento, além de criar o imposto sobre o patrimônio líquido das grandes empresas. Não vai reduzir substancialmente a concentração de renda, mas são recursos adicionais para que o Governo possa desempenhar com sucesso as suas funções de redução da pobreza e da marginalidade e aliviar o ônus tributário que recai sobre a classe média.

Garantir o repasse dos tributos que são pagos para incrementar e melhorar os serviços públicos passa pelo não contingenciamento para pagamento de juros? 

Hoje no Brasil a questão dos juros e da dívida pública é importante e não se resolve por contingenciamento. Outro grande problema são as isenções tributárias e incentivos fiscais. Pelos últimos cálculos, são mais de R$ 120 bilhões que o Governo destina anualmente às empresas sob a forma de renúncia fiscal, isso tem que ser repensado, muitos desses incentivos provavelmente não são essenciais, não são necessários ao desenvolvimento. 

Hoje o crescimento da economia está sendo pautado pelas exportações, e as companhias exportadoras estão isentas da maior parte dos impostos pagos por empresas que produzem para o mercado doméstico. Acho que esse modelo também tem que ser repensado, lembro que a Argentina utiliza impostos sobre exportação para melhorar o caixa do Governo, enquanto o Brasil dá incentivos demais e abre mão de uma parcela importante da receita. 

Na verdade, o que está em jogo é o próprio modelo brasileiro de crescimento, que deveria ser baseado no mercado interno. Para o externo, seriam dirigidos apenas os excedentes ou aqueles produtos considerados estratégicos para que o País continuasse a ter importância no cenário mundial. Sem colocar em causa esse modelo econômico, tudo fica difícil.

Apresentação disponível em http://www.cntu.org.br/

Leia também

21/02/2024

Justiça reconhece que trabalhador despedido após aposentadoria sofreu discriminação por idade

21/02/2024

Curso gratuito sobre mudanças climáticas oferece certificado da ONU

20/02/2024

SENGE celebra com os formandos em Agronomia

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato