12/03/2024

Mulheres na Engenharia: SENGE-RS promove debate sobre desafios profissionais

Na segunda-feira (11), o SENGE-RS promoveu a 23ª edição dos Painéis da Engenharia, tratando sobre os desafios profissionais das mulheres na Engenharia. O encontro, realizado em formato híbrido, oportunizou o debate e o compartilhamento de experiências a respeito das situações enfrentadas pelas mulheres no setor, bem como a proposição de soluções para a construção de uma Engenharia mais diversa e inclusiva.

A mesa redonda contou com a participação das engenheiras agrônomas e diretoras do Sindicato, Luísa Leopold Campos e Córdula Eckert, da advogada Karla Schumacher Vitola, especialista em Direito do Trabalho e sócia do escritório Schumacher e Vitola, que presta assistência ao SENGE. A mediação ficou por conta da diretora Jéssica Moraes, da área de Apoio e Qualificação Profissional do SENGE.

A abertura do evento foi realizada pela diretora Vera Carrion, que agradeceu a presença de todos no evento e destacou a atuação do SENGE no apoio às mulheres engenheiras. “Aqui no Sindicato, nossa diretoria é composta em 25% por mulheres, e nosso quadro funcional também conta com 75% de mulheres, inclusive em cargos de gestão. E na luta sindical, estamos sempre atuando ao lado das mulheres engenheiras nas situações que enfrentam desde a universidade até a sua atuação profissional, em uma área que ainda é predominantemente masculina”, disse a diretora do SENGE, fazendo um convite às mulheres engenheiras para que se associem a esta luta junto com o Sindicato.

A engenheira agrônoma e extensionista rural da Ascar/Emater-RS, Luísa Leupolt Campos, deu início a roda de conversa falando sobre os desafios que vem enfrentando na sua trajetória desde a universidade, onde as turmas dos cursos de Engenharia contam com menor percentual de mulheres, ainda que estes números venham lentamente aumentando com o passar dos anos. “Quando me formei em 2013, nós éramos em 23 formandos e cinco formandas. É uma profissão tradicionalmente masculina, e alguns professores deixavam isso bem claro, e o fato de sermos minoria por tanto tempo se reflete no mercado de trabalho. Como por exemplo, em 2022 eram 200 mil mulheres registradas no Sistema CONFEA/CREA. Parece bastante, mas isso é 20% do total de profissionais registrados no Sistema. Ser minoria se torna um desafio quando estamos em um espaço pensado por e para homens, em um espaço onde quanto mais a gente se afasta do estereótipo criado para o gênero masculino, mais sofre preconceitos e desafios. Quando eu falo que existem limitações impostas pela questão de gênero, me refiro a limitações que acabam sendo naturalizadas, como se as mulheres tivessem menos capacidade de ser engenheiras”, disse Luísa.

A diretora do Sindicato também destacou os desafios de se combater o assédio no ambiente de trabalho, uma vez que em muitas situações são reduzidos a um relato pontual vivenciado por uma mulher. “É um desafio profissional se deparar com o que a gente chama de machismo estrutural. O sexismo não se mensura, ele se vive. Isso porque muitas vezes é reduzido a um relato pontual, como se representasse apenas a vivência daquela mulher que passou pela situação. Só que são todas as mulheres que relatam situações semelhantes. É muita coincidência, né?”, salientou Luísa. Ela ainda ressalta que, na Engenharia, além das dificuldades enfrentadas pelas mulheres no mercado de trabalho no seu aspecto mais amplo, somam-se questões específicas de um campo de conhecimento que ainda é majoritariamente masculino. “Nós somos testadas e expostas a todo momento. Então tu estás numa reunião e não é raro ouvir a seguinte frase: ‘vamos ver se a fulana sabe do que eu tô falando’. É aquela coisa de testar o conhecimento em público para ver se ela realmente entendeu né, além da desvalorização do trabalho.

A engenheira agrônoma Córdula Eckert, que também atua como extensionista rural na Ascar/Emater-RS também destacou as restrições e preconceitos, muitas vezes naturalizados no ambiente de trabalho, que precisam ser diariamente enfrentados pelas mulheres. “Tem algumas coisas que são típicas do machismo estrutural  e que perpassam o nosso cotidiano. Por exemplo, manifestações de que ‘mulher não tem condições de assumir uma chefia’ porque ‘ela é muito emocional’, ‘ela não sabe como andar’, ‘ela é histérica’ ou ‘ela tem dificuldade de se relacionar com os homens’”, disse Córdula, que também integra a diretoria do SENGE-RS.

“Quando se comemora o dia 8 de março, estamos falando de luta contra a discriminação de gênero no mercado de trabalho, nas relações sociais, jurídicas e políticas estabelecidas na sociedade. Esse é um dia de luta, de reflexão no sentido de que a gente aprofunde qual o nosso papel nesse espaço social e político, e como vamos agir no sentido de obter uma presença mais efetiva e igualitária no mundo”, disse Córdula. Nesse sentido a engenheira destaca que a reflexão e a reação das mulheres contra as diversas formas de violência de gênero exigem de cada uma, tanto individualmente, quanto de forma coletiva, a necessidade de se posicionar dentro desse espaço de luta e construção para defesa dos interesses das mulheres no mercado de trabalho e na sociedade.  “Essa é uma luta via negociação coletiva, e por isso a importância da nossa participação dentro do sindicato, dentro do movimento sindical, porque essas bandeiras só vamos conseguir através dos sindicatos.  É também uma luta política, através de legislações que podem atender essas reivindicações nas instâncias governamentais”, complementou.

Na sequência, a advogada Karla Schumacher, do escritório Schumacher e Vitola que presta assistência ao SENGE há cerca de 10 anos. A advogada destacou o trabalho do Sindicato nas negociações coletivas visando contemplar as reivindicações das profissionais mulheres em questões que dizem respeito a maternidade.

 

ASSISTA A ÍNTEGRA DO EVENTO

 

 

 

Leia também

12/04/2024

Dia Nacional de Conservação do Solo: Engenheiros Agrônomos ressaltam a importância da preservação

12/04/2024

SENGE-RS representa engenheiros da CEEE Equatorial em CPI na Câmara de Vereadores

12/04/2024

SENGE celebra conquista dos novos engenheiros formados pela UFRGS

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato