10/09/2012

Petrobras vai fechar fase inicial do pré-sal

No comando da área mais importante da Petrobras, o diretor de Exploração e Produção José Formigli tem a missão de colocar de pé o plano de aumento da produção de petróleo e gás da estatal de olho nos custos, prazos e calendário de entrega dos equipamentos essenciais para alcançar suas metas de crescimento, consideradas as mais ambiciosas da indústria.

As encomendas para o primeiro ciclo de investimentos no pré-sal da Bacia de Santos estão quase todas prontas. Elas incluem seis plataformas flutuantes de armazenagem e transferência (FPSOs) idênticas para os campos de Lula e Sapinhoá, já encomendadas, e duas cujos construções serão encomendadas em até 18 meses. Outras quatro FPSOs para as áreas da cessão onerosa já estão em fase de licitação.

"Nós passamos pela primeira leva das grandes contratações", comenta Formigli com certo ar de alívio. "Ainda vamos fazer a licitação dos seguintes. Vão sair os cascos e em algum lugar no Brasil serão construídos os módulos que serão colocados em cima deles. Ainda estamos licitando mais dois [FPSOs para a cessão onerosa] e com isso encerramos o ciclo de contratação de plataformas para o petróleo que temos mapeado para entrar em produção até 2018", diz Formigli.

O plano de negócios da Petrobras destina investimentos de US$ 131,6 bilhões para a área de exploração e produção para que ela consiga produzir 2,46 milhões de barris por dia de petróleo em 2016 e 4,21 milhões de barris/dia em 2020, o dobro da produção atual. Os projetos da área são os únicos com prioridade sobre quaisquer outros, inclusive na disputa por recursos financeiros.

O diretor garante que a atividade exploratória da companhia deve mudar um pouco sua forma de atuação. Isso significa, segundo ele, que a Petrobras vai procurar balancear seu risco de perfuração. No plano estratégico, a companhia reservou investimentos anuais de US$ 5 bilhões por ano em exploração – são US$ 25,4 bilhões entre 2012 e 2016, valor maior que o valor de mercado somado da HRT e OGX. Juntas, as duas empresas valiam ontem o equivalente a US$ 10,305 bilhões.

"Vamos balancear a perfuração dos poços ao longo do tempo, de tal maneira que a gente tenha um mix de locações aonde o alto risco não seja a grande maioria", explicou Formigli. O objetivo é evitar uma concentração de poços secos que tenham como consequência um impacto elevado na baixa deles como se viu no último trimestre, quando esse item representou perdas de R$ 2,7 bilhões.

Enquanto do lado de fora é grande a ansiedade em torno das descobertas já conhecidas, notadamente as estrelas do pré-sal, o pessoal da exploração está um passo adiante. E busca montar um novo modelo para entender a geologia de novas fronteiras como a bacia de Sergipe-Alagoas, onde a Petrobras noticiou recentemente a descoberta de Barra e Moita Bonita, duas acumulações de gás e óleo leve em águas ultraprofundas em frente a Aracaju.

Ao comentar as últimas descobertas da Petrobras no mar, Formigli chama a atenção para o fato de um terço delas estarem fora do pré-sal (seis em dezoito descobertas). "Isso reflete o esforço que temos feito e a tendência é que tenhamos um número maior de descobertas em áreas da costa fora do pré-sal, desde que mantida essa taxa de sucesso", diz.

Formigli chama a atenção para o fato de muitos passarem a denominar essas áreas como se fossem "pós-sal", o que não é correto já que o termo assume a existência de uma camada de sal abaixo das descobertas. E o chamado pré-sal brasileiro é uma área em águas profundas da Bacia de Santos, Campos e Espírito Santo.

Entender as descobertas nas novas fronteiras é fundamental para a Petrobras começar a identificar a melhor engenharia para colocar em produção as novas descobertas de 2018 em diante. Essa decisão é o prenúncio de gigantescas aquisições que movimentam o setor já que envolvem desde a compra de aço, sondas e equipamentos, como cabeças de poço, até tubos e plataformas. "Tem um monte de gente estudando, em ebulição. Mas é preciso tempo. Não somos uma máquina de licitação", avisa.

Por Valor Econômico – SP – Cláudia Schüffner | Do Rio
02/09/12

 

Acompanhe e participe das páginas do SENGE nas redes sociais:
www.facebook.com/sindicatodosengenheiros
twitter.com/senge_rs

Acesse nosso blog:
www.construindoideias.org.br

Leia também

24/05/2024

SENGE sedia evento que debateu Sistema de Proteção contra inundações de Porto Alegre

24/05/2024

SENGE SOLIDÁRIO | Programa lança a campanha Solidariedade Técnica: Reconstruindo o Rio Grande

24/05/2024

Sócio SENGE: conte com assessoria para declaração do Imposto de Renda

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato