01/02/2013

Redução do preço da energia e seus impactos na economia

A presidente Dilma Roussef surpreendeu reduzindo o valor da energia elétrica mais do que o anunciado no ano passado, com o objetivo de aumentar os investimentos e a produtividade da indústria nacional.

Leia duas análises sobre o impacto desta ação na economia.

REDUÇÃO DO PREÇO DA ENERGIA AGRADA INDÚSTRIA E IRRITA INVESTIDORES
Jornal do Brasil – 24/01/13

Os acionistas da Eletrobras não gostaram, mas especialistas e representantes do setor industrial aprovaram a medida da presidente Dilma Roussef de reduzir ainda mais o valor da energia elétrica. As ações da empresa brasileira fecharam o pregão no dia 24 de janeiro em queda acentuada de 7,53%. O temor de que a estatal termine o ano com lucro menor, ou até prejuízo, assustou os acionistas.

Durante pronunciamento na noite do dia 23 de janeiro, a presidente surpreendeu ao anunciar uma queda na taxa de luz que pode chegar a 32% para as indústrias e 18% para as famílias já a partir do dia 24. Quando, em setembro passado a presidente anunciou uma redução média de 20,2%, a promessa foi colocada em xeque, até porque o nível dos reservatórios das hidrelétricas chegara ao nível mais baixo em 10 anos.

O principal objetivo da medida é aumentar os investimentos e a produtividade da indústria nacional. Pagando menos pela luz, os produtos ficam mais competitivos, dentro e fora do país. "Este é um dos objetivos do governo, mas não dá ainda para prever que eles vão acontecer, nem quando, nem como", afirma o economista Gilberto Fraga, professor de Finanças do Ibmec.

Representantes do setor industrial, no entanto, agradecem. Em nota, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, aprovou a medida. “Beneficia todos os setores da sociedade e atinge diretamente o bolso de cada brasileiro. Todo mundo usa energia, todos os produtos precisam de energia para serem produzidos, todos os serviços consomem energia. Ao reduzir a conta de luz, o benefício é de todos,” ressaltou.

Na verdade, qualquer notícia que ajude o setor industrial será bem vinda, haja visto os dados referentes à produção que continuam a cair. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou pesquisa mostrando que o custo de produção da indústria brasileira cresceu 10,6% no terceiro trimestre do ano passado, comparado com o mesmo período de 2011.

O chamado Custo Brasil faz, por exemplo, o economista Fraga, mesmo considerando ainda incerto o cenário econômico, aprovar a medida. Mas, ele frisa também que existem outros problemas ainda a serem combatidos para que a indústria possa melhorar o seu desempenho.

"Para o conjunto da economia é uma boa medida. Ela não é totalmente efetiva no sentido de resolver as mazelas do Custo Brasil, que não se resumem só a isso, mas também gargalos de infra-estrutura e a falta de uma reforma tributária, problemas antigos do país", analisou
Um efeito extra da medida pode surgir junto às famílias e beneficiar o crescimento da indústria. Com a renda menos comprometida, a tendência será de um aumento no consumo, o que acaba gerando demanda para a produção nacional. "É o que se espera, mas não há nada garantido", explica o professor.

Descrédito persiste

O economista José Oreiro, professor da Universidade de Brasília (UnB), não se animou tanto com o anúncio. Para ele, a medida não deverá aumentar o nível de investimento da indústria na economia. Isto porque o Brasil não demonstra segurança energética para os próximos anos, o que deixa os produtores inseguros.

"No curto prazo é bom, porque vai aumentar a competitividade. Mas desde 1988 os governos vem reduzindo fortemente os investimentos em energia elétrica. Entre 1966 e 1988, a média de investimento ficou em 2% do PIB (Produto Interno Bruto) mas desde então, este número foi reduzido a 0,6%. Nós construíamos a frente da demanda antes, mas agora a folga é pequena. Por isso somos muito dependentes das chuvas" revelou.

Além disso, o nível de investimento e de produção só deverá aumentar mesmo com o fim da crise internacional, afirma Braga. "É o fator mais importante neste momento, na verdade. Mesmo se conseguíssemos num passe de mágica, resolver todos os problemas do Custo Brasil, mesmo assim, a indústria continuaria sofrendo, pois precisamos da demanda de outros países por nossos produtos".

O QUE ESTÁ POR TRÁS DA REDUÇÃO DAS TARIFAS?

Por Gustavo Teixeira Ferreira da Silva (economista do DIEESE e mestre em economia pela UFRGS) e Franklin Moreira ( presidente da Federação Nacional dos Urbanitários) – Fonte: Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros

As mudanças anunciadas pela Presidente Dilma para o setor elétrico se inserem no amplo conjunto de medidas que vêm sendo adotadas com o objetivo de estimular a economia nacional. Entretanto, ainda restam dúvidas quanto aos seus resultados. Seguindo um diagnóstico de que o aumento do investimento é condição necessária para o País enfrentar os recentes desafios impostos pela crise mundial de 2008, e, assim, iniciar um novo ciclo de crescimento, o governo tem adotado uma estratégia de incentivo ao investimento privado e de “aumento” da competitividade do setor produtivo nacional. No entanto, as diversas ações tomadas ao longo do ano não confirmaram as expectativas de crescimento da economia em 2012. No início do ano, a expectativa era de um crescimento acima de 4,0% – os últimos dados apontam para um crescimento abaixo de 1,5%.

Diante deste quadro, o governo viu, na alternativa de antecipar para 2013 a prorrogação de uma parte importante do setor elétrico (20% da capacidade instalada de geração e 67% do total de linhas de transmissão do País), a possibilidade de “viabilizar a redução do custo da energia elétrica para o consumidor brasileiro, buscando, assim, não apenas promover a modicidade tarifária e a garantia de suprimento de energia elétrica, como também tornar o setor produtivo ainda mais competitivo, contribuindo para o aumento do nível de emprego e renda no Brasil” [ii].

A fórmula para alcançar esse objetivo foi definida pela polêmica Medida Provisória 579, de 11 de setembro de 2012, que dispõe sobre a redução das tarifas de energia elétrica e a prorrogação de concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Em síntese, a medida, inovadora, antecipou para o início de 2013 a possibilidade de prorrogação dos contratos de concessões que terminariam nos próximos 60 meses, exigindo como contrapartida, tarifas de geração e receitas de transmissão menores. Reduziu alguns encargos setoriais, que por muito tempo estiveram embutidos no preço final da tarifa. E o governo federal se comprometeu ainda em fazer, através do Tesouro Nacional, um aporte anual de R$ 3,3 bilhões para manter parcialmente os programas custeados por estes encargos.

A intenção pode ser boa…

O resultado esperado é uma redução média de 20% na tarifa final em 2013, variando entre 16% para o consumidor residencial e 28% para a indústria. Caso essa expectativa se confirme, a redução do preço da energia elétrica permitirá um aumento do poder aquisitivo da população, estimulando, portanto, o consumo, a produção e o emprego. Ao mesmo tempo em que reduzirá o custo de produção do setor industrial, podendo levar ao aumento da produção e a redução do custo dos produtos finais.

Outro efeito esperado, mas pouco divulgado, é o impacto na inflação do ano que vem. De acordo com o Conselho de Política Monetária (Copom), a estimativa de redução nas tarifas de energia elétrica alterou a projeção de reajuste dos preços administrados por contrato e monitorados de 4,5% para 2,4% em 2013[iii]. Ou seja, se viabilizada, a redução do preço da energia elétrica poderá ter um efeito expressivo na inflação do próximo ano, aumentando dessa forma o grau de liberdade da política monetária, um dos principais instrumentos utilizados pelo governo para estimular o investimento e o consumo no país.

A medida também permitiu que uma parte importante do setor elétrico continuasse sendo operada por empresas estatais, uma vez que 98% das concessões de geração, 77% das de transmissão e 91% das de distribuição, são de empresas estatais. Como se sabe, estas empresas tem tido um papel estratégico, sobretudo na manutenção e expansão da matriz enérgica nacional.

Mas os fins justificam os riscos?

Se a intenção da medida é indiscutivelmente boa, pelos resultados esperados tanto para a população quanto para a indústria, além de segurar os preços no próximo ano, a forma pelo qual o governo resolveu reduzir as tarifas e os seus desdobramentos, tem gerado algumas dúvidas.

As tarifas finais permanecerão “baixas” nos próximos anos? Pois, apesar da medida resultar na redução do preço da energia elétrica, deve-se considerar que outros fatores poderão continuar a pressionar seu preço, tais como: os custos com perdas de energia na rede elétrica e os recursos para a indenização das usinas térmicas, como as que estiveram ligadas durante a estiagem registrada em 2012. Logo, o aumento nesses custos poderá anular ou compensar a redução anunciada?

Quanto às concessões, as novas receitas definidas pela União implicarão num forte e rápido ajuste de custos para as empresas estatais que aderiram à prorrogação (grande parte do Grupo Eletrobras). Qual o impacto de um ajuste apoiado em milhares de demissões, conforme já anunciado, na capacitação e manutenção da memória técnica dessas concessões e na capacidade de melhorias em seus ativos? Ele poderá comprometer a modicidade tarifária?

Além disso, enquanto todas as concessões de transmissão aceitaram os termos de prorrogação, um grupo de empresas estaduais de geração – Cemig, Cesp, Copel e Celesc – que representa cerca de 30% da potência total a ser renovada, optou por não prorrogar suas concessões. Nesse caso, tais empresas continuarão praticando as atuais tarifas, até o final de seus contratos. Em torno da disputa política causada por essas decisões, encontram-se mais dois questionamentos. Qual o impacto dessas decisões no alcance do percentual de redução anunciado pelo governo? E qual será o destino dado para essas concessões, após o vencimento de seus contratos?

Na hipótese de uma nova licitação e, eventual privatização, os efeitos sobre o emprego no setor poderão ser os mesmos do processo de privatização de cunho neoliberal implementado no Brasil na década de 1990, em que esteve ausente qualquer proteção ao trabalho: piora dos serviços prestados; a diminuição de salários; redução de benefícios sociais; aumento da rotatividade; diminuição da qualificação da força de trabalho; jornadas de trabalho mais extensas; piora das condições de saúde e de segurança no ambiente laboral; e ainda, desorganização da representação sindical.

No caso específico do setor elétrico, a ausência de proteção ao trabalho, somada ao estímulo à precarização, garantido pela Lei nº 8987/95 que permitiu às concessionárias do setor “contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço concedido, bem como implementação de projetos associados”, fizeram com que ao longo dos últimos anos o número de trabalhadores terceirizados superasse o número de trabalhadores do quadro próprio, passando de 44% em 2004 para 55% do total da força de trabalho de 2010. Nesse particular, a precarização é tão evidente que cerca de 90% do total de acidentes fatais no setor elétrico ocorrem com trabalhadores terceirizados. Em 2010, a taxa de mortalidade dos trabalhadores terceirizados foi quase nove vezes maior que a dos trabalhadores do quadro próprio[iv].

Pois bem, parece que restam mais dúvidas do que certezas sobre qual será o balanço final das mudanças recentes no setor elétrico brasileiro. Contudo, o esclarecimento para muitas delas pode passar pela resposta a uma simples pergunta: Qual o papel que o governo espera que as estatais cumpram no desenvolvimento de nosso País?

[ii] Item 1, da exposição de motivos da Medida Provisória 579, de 11 de setembro de 2012. Disponível em:
[iii] Cf. ata da 170ª reunião do COPOM, outubro de 2012. Disponível em: < http://www.bcb.gov.br/?ATACOPOM>
[iv] Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro. DIEESE, Estudos e Pesquisas, nº 50, São Paulo: março de 2010.

Acompanhe e participe das páginas do SENGE nas redes sociais:
www.facebook.com/sindicatodosengenheiros
twitter.com/senge_rs

Acesse nosso blog:
www.construindoideias.org.br

Leia também

21/02/2024

Justiça reconhece que trabalhador despedido após aposentadoria sofreu discriminação por idade

21/02/2024

Curso gratuito sobre mudanças climáticas oferece certificado da ONU

20/02/2024

SENGE celebra com os formandos em Agronomia

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato