29/10/2009

RS volta a realizar Congresso Brasileiro de Agronomia após 40 anos

Foram 40 anos de espera até que o Rio Grande do Sul recebesse novamente o Congresso Brasileiro de Agronomia (CBA), que ocorreu entre os dias 20 e 23 de outubro, em Gramado. Mas quando retornou, o evento, que está na 26ª edição, trouxe contribuições históricas para um dos setores mais produtivos do Brasil, que promete alavancar o País ao patamar de quinta maior economia do mundo nos próximos 40 anos.

A abertura do congresso, realizada no Centro de Convenções do Hotel Serrano, contou com a presença de diversas autoridades, entre elas a Governadora Yeda Crusius, que destacou a atividade como sendo a mais importante para a economia gaúcha. “Graças aos programas de irrigação, iremos registrar uma supersafra em 2010. Queremos aproveitar os benefícios desta conquista com todos vocês”, manifestou-se a governadora, que recebeu uma homenagem dos organizadores do evento.

Na composição da mesa de abertura, o presidente do Sindicato dos Engenheiros no Rio Grande do Sul, o engenheiro agrônomo José Luiz Bortoli Azambuja, lembrou que a função do CBA não era apenas de debater a produção de alimentos, energia ou as preocupações ambientais inerentes ao setor. Para ele, o momento é também de discutir as mazelas que ameaçam a profissão. “Temos que fortalecer a categoria não só com conhecimento e capacidade, mas resguardá-la das intenções de enfraquecimento que projetos de lei e mudanças curriculares nos apresentam. É preciso nos mobilizarmos e nos organizarmos para que nossa profissão continue a contribuir, como muito já contribui, para o desenvolvimento do Brasil”, reforçou Azambuja.

Na sequência, o presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado, Luiz Alcides Capoani, defendeu uma nova normatização para os engenheiros agrônomos, que valorizasse o profissional e contribuísse para a melhoria dos modelos de gestão agrária do país. “É função da categoria minimizar os problemas do campo através do conhecimento, do ensino e da pesquisa, mas para isto continuar sendo feito precisamos cobrar comprometimento dos nossos parlamentares”, argumentou Capoani.

Numa visão mais macro-econômica, o presidente do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA), Marcos Túlio de Melo, apresentou os desafios do setor para os próximos 40 anos. “Estima-se que em 2050 o planeta terá 9 bilhões de pessoas. A produção mundial de alimentos terá que crescer 70% para suprir esta demanda. E as esperanças do mundo recaem sobre o Brasil, que se mostra o país com maior potencial de produção no momento”, destacou. Túlio de Melo também fez coro aos apelos do presidente do SENGE-RS. “O Azambuja nos provoca a nos organizarmos, e eu faço coro a ele, pois isto é fundamental para que estejamos a frente deste processo de engrandecimento do Brasil”, complementou.

O presidente da Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul (SARGS) e coordenador regional do 26º CBA, Arcângelo Mondardo, projetou que o vitorioso modelo da agricultura brasileira não é eterno, e que novos modelos são necessários para que o país ocupe posição de liderança entre os grandes produtores mundiais. “Cabeças ingênuas propõem mudanças curriculares que podem ser catastróficas para o setor. Querem tirar as ciências exatas e a zootecnia das atribuições dos engenheiros agrônomos. Eles não sabem que estas áreas, juntamente com a fitotecnia, são auto-dependentes, precisam estar juntas para uma visão global”, assegurou Mondardo.

Sob uma perspectiva global, o Presidente da Associação Mundial dos Engenheiros Agrônomos, Carlos Pieta Filho, destacou que o Brasil pode solucionar muitos de seus problemas, entre eles os sociais, econômicos e ambientais, se estiver disposto a apostar na agronomia como setor prioritário. Segundo ele, a produção agrícola brasileira equivale a 28% do PIB (Produto Interno Bruto), ocupa 37% da mão de obra brasileira e é responsável por 40% das exportações do país. “O PIB agrícola sempre foi positivo. Se tivéssemos investido no campo há mais tempo, nunca teríamos os problemas das cidades. Devemos lembrar que a agricultura é a maior invenção da humanidade, tem função social e econômica, e por isto somos o passado, o presente e o futuro da nação”, finalizou Pieta Filho.

Leia também

12/04/2024

Dia Nacional de Conservação do Solo: Engenheiros Agrônomos ressaltam a importância da preservação

12/04/2024

SENGE-RS representa engenheiros da CEEE Equatorial em CPI na Câmara de Vereadores

12/04/2024

SENGE celebra conquista dos novos engenheiros formados pela UFRGS

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato