08/12/2022

Felipe Villela, palestrante dos Painéis da Engenharia, fala sobre agricultura regenerativa como aposta para aliar produção e preservação ambiental

 Confira entrevista do especialista Felipe Villela, da Fundação reNature e palestrante do 17º Painéis da Engenharia, ao Jornal do Comércio.

 

Voltar o olhar para a natureza e entender com ela a melhor forma de cuidar do solo é a proposta da agricultura regenerativa, conceito apresentado pela Fundação reNature para aliar produção agrícola com preservação ambiental. Princípios como o uso eficiente da água e práticas como a diversificação de culturas, por exemplo, são formas de garantir a sustentabilidade do solo a longo prazo.

Quem explica é Felipe Villela, co-fundador da holandesa reNature (organização híbrida: empresa e fundação) que trabalha com projetos voltados à agricultura regenerativa. Gaúcho de criação, ele está em Porto Alegre para participar do evento Painéis da Engenharia, evento promovido pelo Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge-RS) nesta quinta-feira, dia 8.

Em conversa com a coluna, Villela conta sobre como praticar uma agricultura que vai além da sustentabilidade ao maximizar os impactos positivos – para a produção e para o futuro do planeta.

Jornal do Comércio – O que é a agricultura regenerativa?

Felipe Villela – Agricultura regenerativa é uma agricultura baseada na imitação dos processos da natureza. Os principais princípios são a saúde do solo, o aumento da biodiversidade, o uso eficiente de água, a resiliência econômica da propriedade e a redução de gases de efeito estufa. E as principais práticas são a cobertura do solo – usar espécies que mantém o solo coberto para evitar, por exemplo, a erosão e outros desafios climáticos; o plantio direto – não arar muito o solo para evitar a perda de microrganismos fundamentais; a transição de insumos sintéticos e químicos para insumos biológicos e orgânicos; e a diversificação e rotação de culturas – sair da monocultura e produzir outras consorciadas para ter uma maior quantidade de fotossíntese e espécies naquele ecossistema.

JC – A rotatividade do plantio é mais que a prática da safra e entressafra?

Vilella – Exatamente. A rotação, a safra e a safrinha também são maneiras de sempre utilizar aquela terra, só que é muito importante manter o solo coberto o ano inteiro, até no inverno, porque o solo acaba liberando a umidade e o carbono para a atmosfera ao invés de retê-lo se ele não estiver coberto. E sim, a rotação é fundamental, mas a diversificação é mais importante ainda. Hoje no Brasil já tem oitenta milhões de hectares degradados por conta da pecuária de baixa produtividade e extensiva e também por conta da monocultura de grãos, principalmente, que vem comprometendo o solo por falta de cobertura, por falta de ciclagem de nutriente, que a quantidade excessiva de fertilizantes de insumos químicos tem tem feito o solo ficar cada vez mais prejudicado e comprometido à erosão. Utilizar espécies de plantas como fonte de fertilizante natural é muito mais eficiente do que ficar sempre trazendo de fora esses insumos.

JC – No que o conceito de regeneração avança em relação à sustentabilidade?

Villela – Sustentabilidade tem o foco na sustentação de um sistema ou de um ecossistema. E isso é basicamente a gente conseguir diminuir o impacto negativo e neutralizá-lo, simplesmente sustentar a nossa sociedade com os recursos naturais. Mas nós não podemos somente nos dar ao luxo de, por exemplo, neutralizar as nossas emissões e os nossos impactos negativos. Se quisermos realmente ter um futuro próspero e abundante em termos de recursos naturais, precisamos maximizar o impacto positivo e ir além da sustentabilidade. Esse é o movimento de regeneração, conseguir não só sustentar, mas sim regenerar o solo para que as próximas gerações tenham suficiente recursos naturais.

JC – A ideia que você traz é não colocar a preservação ambiental como um contraponto à produção agrícola ou a pecuária, mas como aliada, isso?

Villela – Exato. Se o agro não incluir o meio ambiente na sua tomada de decisão, não vai ser produtivo a longo prazo. E por que estou dizendo isso? Porque hoje a gente vê os severos efeitos climáticos na produtividade de todos grãos, no Brasil e no mundo inteiro. Tivemos perdas significantes, desde a soja do Paraná, pelo efeito da estiagem, até a cafeicultura, que teve uma queda de 25% na produtividade – e o Brasil é o maior exportador de café do mundo – por conta das geadas. O clima está impactando a produção agrícola de uma forma que se não criarmos um ambiente resiliente climaticamente falando, na paisagem agrícola, não vamos conseguir garantir segurança alimentar e não vamos continuar produzindo commodities para exportação, para garantir um PIB de 30% que hoje contribui para o nosso país. E vemos mercados estrangeiros exigindo essa mudança de práticas até com compromissos de compra de produto somente proveniente de fontes sustentáveis e regenerativas.

JC – Há, então, um olhar internacional sobre como está se produzindo, e não somente sobre o que se produz?

Villela – Exatamente. O manejo é fundamental. Podemos falar de eficiência de gestão em relação a, por exemplo, agricultura de precisão, que contribui para uma agenda mais sustentável, mas se não estivermos olhando, por exemplo, a criação de um solo mais saudável, não vamos conseguir uma produtividade boa para as culturas. Por isso o foco no solo é muito importante. E as árvores têm um papel fundamental na regeneração também, porque são as maiores fontes, por exemplo, de biomassa e matéria orgânica para diminuir o custo de insumos externos. Utilizar a madeira das podas como fonte natural de biomassa. E também trazer inimigos naturais das pragas e doenças. Então você trabalha com a natureza para aumentar a biodiversidade e aumentar o potencial daquela paisagem. É a gente escutar a sabedoria da natureza.

JC – Um conceito que tem se empregado nas cidades é a solução baseada na natureza. É semelhante a isso?

Villela – É isso. Biomimética (área da ciência que estuda os princípios da natureza), só que na produção de alimentos. Conseguir gerir as áreas rurais de forma eficiente, mas que tenha a natureza como um dos principais aliados na hora de desenhar o planejamento do plantio da propriedade.

JC – E tem também relação com as cidades, pois o que se produz no meio rural abastece as cidades.

Villela – Exatamente. E há um risco muito grande de falta de mão de obra rural (pelo rompimento da) sucessão familiar no campo. Muitos filhos e netos (de produtores) estão indo morar nas cidades por não verem atratividade e recompensa em trabalhar no campo. Então, a gente tem feito com que a agricultura seja algo mais atrativo, mais sexy para as próximas gerações, principalmente fazendo com que o pagamento por serviços ambientais seja uma outra fonte de renda para os produtores. Por exemplo, que carbono e biodiversidade sejam ativos ambientais monetizados para os produtores conseguirem ter uma renda extra pelo impacto que estão gerando naquele ecossistema.

JC – Você falou que não se trata de somente neutralizar os impactos, mas maximizar o impacto positivo. E um dos temas que você elencou como parte da agricultura regenerativa é o aumento da biodiversidade. Como faz para reverter a curva da perda de biodiversidade?

Villela – Se fala muito de (sequestro) carbono como um dos principais serviços ambientais da natureza. Só que a biodiversidade é tão importante quanto. E, ao tirar áreas de florestas, por exemplo, e implantar algum cultivo agrícola, acaba tirando o habitat de muitas espécies, não só de mamíferos e de insetos, mas também de espécies que estavam presentes naquele solo.

JC – Por exemplo?

Villela – A minhoca. Hoje se vê na agricultura a falta de presença de minhoca, que é o maior indicador de saúde do solo, porque ela está no topo da cadeia alimentar do solo. É a minhoca que rege todo o ecossistema do solo, é ela que se alimenta das outras espécies. E vemos que falta muita minhoca no solo hoje em dia na agricultura brasileira. E, ao se produzir de forma regenerativa, sustentável, multiplica a quantidade de minhocas presentes e isso atrai muita biodiversidade. E por que a minhoca é fundamental? Porque, além de aumentar a quantidade de biodiversidade naquele solo, ela também está permitindo, ao se mover pelo solo, a troca dos nutrientes de forma mais eficiente. E também estocar carbono que é sequestrado da atmosfera no solo. E também a capacidade de infiltração de água no solo. Quando o solo está muito compactado, sem minhoca a água que vai cair da chuva não vai ser infiltrada e aquele solo vai ter um risco muito grande de alagamento. Então a biodiversidade é fundamental para conseguirmos tornar a agricultura mais regenerativa. E para aumentar a biodiversidade, você precisa aumentar a diversidade de espécies. Por isso que a diversificação da cobertura de solo é fundamental. Assim como nós, seres humanos, precisamos de protetor solar para nos proteger do sol, o solo precisa de um protetor vegetal para poder reter a umidade e aumentar a quantidade de biodiversidade. Essas são boas práticas fundamentais para aumentar a biodiversidade daquele ecossistema.

JC – Você esteve na COP 27 (conferência da ONU sobre mudanças climáticas). Que contribuição ela traz para a agricultura regenerativa?

Villela – A COP 27 foi muito importante, principalmente num ano muito difícil de eventos climáticos extremos, pandemia, guerra (impactando) o preço dos fertilizantes. Tiveram resultados interessantes, como por exemplo um novo fundo para perdas e danos, em que países mais vulneráveis aos impactos climáticos tenham um suporte financeiro imediato para quando tiverem perdas e danos. Teve também alguns compromissos de investimento para a agricultura regenerativa, de inclusão de manejo de solo mais sustentável.

 

 

 

Leia também

23/02/2024

ARTIGO | Lifelong Learning: O futuro do trabalho e crescimento econômico

23/02/2024

Artigo | Palavra do Murilo – Seis décadas de luta pelos engenheiros e pelo país

23/02/2024

Últimos dias para inscrição no Curso Online de Tratamentos Térmicos dos Aços

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato