27/07/2010

Especialistas apontam áreas estratégicas para qualificação

A indústria brasileira ainda investe pouco em pesquisa e precisa aproximar a academia das empresas. As conclusões permearam os debates da reunião do Projeto Talentos para Inovação realizada na terça-feira (13/7), em Brasília.

A iniciativa da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) começou em 2006 e ao longo dos quatro anos do projeto foram feitos workshops com representantes da comunidade científica e tecnológica das áreas de Engenharia, Física, Matemática, Química e empresários para discutir, entre outros assuntos, estratégias de formação de recursos humanos e organização da pesquisa.

"Percebemos que há no Brasil um cenário promissor para intensificar a qualificação profissional em setores estratégicos como engenharias, aeronáutica, naval, nuclear, minas e energia, petróleo e agroenergia, além de indústrias nascentes como bioindústria, nanotecnologia e equipamentos médico-hospitalares", apontou o assessor do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Evando Mirra, que foi gerente de Tecnologia e Inovação da ABDI.

Para o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Física, Ronald Shellard, é preciso criar uma entidade voltada especificamente para a tecnologia industrial. Ele sugeriu usar o molde da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que é referência internacional.

"O calcanhar de Aquiles da ciência brasileira são os institutos de pesquisa. A deficiência na infraestrutura dessas unidades é um gargalo para o desenvolvimento e a inovação", destacou.

O problema, segundo ele, começa na formação de estudantes do ensino médio que tem pouca noção sobre a área de ciências e se estende até o nível da pós-graduação. Shellard aponta que os alunos de pós-doutorado deveriam ser empregados e não estudantes bolsistas. "É necessário treiná-los para o mercado que, por sua vez, precisa ter postos de trabalho para pesquisadores."

A dificuldade dos recém-formados em ingressar no mercado também foi abordada pelo membro do Conselho Diretor da Sociedade Brasileira de Matemática Enaldo Vergasta. "Há muita insegurança do estudante de Exatas quanto à sua atuação profissional. Por isso, grande parte opta pela licenciatura. É preciso abrir uma oportunidade mais concreta de emprego", opinou.

Para solucionar o problema, ele sugeriu a criação de um curso de matemática industrial e grupos de pesquisa para atender aos interesses das cadeias produtivas.
Durante o encontro, o professor Oswaldo Alves, do Instituto de Química da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), refletiu sobre as lições aprendidas no projeto. Para ele, a formação profissional tem impacto significante na vida do país. Para se ter ideia, nas nações desenvolvidas a inovação contribui com mais de 50% do Produto Nacional Bruto (PNB).

"Uma nova agenda para a qualificação de pessoas deve ter foco na política industrial e na formação de profissionais para atender as demandas das cadeias produtivas. Isso inclui a revisão de currículos dos cursos de graduação e pós", disse Alves.

Alguns mitos na relação academia e setor produtivo, em sua opinião, também precisam ser ultrapassados. Entre eles, a falsa ideia de que a indústria não faz pesquisa porque não sabe e a dificuldade do acadêmico em compreender que o lucro faz parte da atividade industrial.

(Fonte: ABDI)

Leia também

15/07/2024

A vocação da Engenharia para reconstruir o RS é destaque da coluna do SENGE no Correio do Povo

12/07/2024

Estado cancela eleição para escolher nova presidência da Emater/RS-Ascar

12/07/2024

ARTIGO | Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato