04/02/2011

Indústria puxa consumo de energia elétrica no País em 2010

Fonte: Resenha Mensal do Mercado / EPE

O Sudeste, em contrapartida à retração mais acentuada em 2009 (-9,6%), foi a região que mais expandiu o consumo industrial em 2010: 13,1%. Com forte presença de indústrias dos ramos extrativo-mineral e metalúrgico, em grande parte voltadas para exportação e, portanto, muito afetadas pela crise, Espírito Santo e Minas Gerais apresentaram crescimentos altos, de 32,6% e 18,2% respectivamente.

O Rio de Janeiro aparece com acréscimo da ordem de 16%, para o que contribuiu o início de operação de nova planta siderúrgica e o fornecimento temporário a indústria do mesmo ramo que normalmente se utiliza de geração própria.

Ao Sul, coube a segunda maior expansão em 2010, com taxa de 9,7%. O Rio Grande do Sul apontou crescimento de 12%, com a contribuição do restabelecimento das atividades do Polo Petroquímico de Triunfo que, no início de 2009, apresentou acentuada redução do consumo.
No Nordeste, o crescimento anual de 7% se deve, em grande parte, ao aumento do consumo do setor metalúrgico, especificamente do segmento de ferro-ligas.

Pernambuco, que tem vivido um período de forte crescimento econômico, muito relacionado com a ampliação das atividades industriais no Porto de Suape, se destaca com expansão de 12%.

No Norte, os destaques são Tocantins (33%) e Rondônia (23%), por conta de instalação de indústria de cimento e das obras das usinas hidrelétricas do Rio Madeira, respectivamente. O consumo residencial encerrou 2010 com aumento de 6,3%, mantendo o patamar de crescimento de 2009 (6,4%).

O consumo residencial encerrou 2010 com aumento de 6,3%, mantendo o patamar de crescimento de 2009 (6,4%). A evolução deste consumo nos últimos anos tem sido favorecida por um mercado de trabalho aquecido (taxa de desocupação em queda e aumento do emprego formal, da massa salarial e do rendimento médio) e pela oferta de crédito, que vem estimulando a aquisição de aparelhos eletrodomésticos com decorrente consumo adicional de
eletricidade. Segundo o IBGE, a taxa média de desocupação até novembro de 2010 foi de 6,9%, a menor da série histórica pesquisada. Já o emprego formal, de acordo com o Ministério do Trabalho, aumentou significativamente em 2010, com saldo de 2,52 milhões de novos postos de trabalho. Quanto ao crédito, o Banco Central informa que, de janeiro a outubro de 2010, foram destinados a pessoas físicas cerca de R$ 5,0 bilhões — quase 33% do total das operações de crédito do sistema financeiro.

A ampliação do consumo residencial é, pois, consequência do aumento do consumo médio no país, que passou de 150,1 para 153,9 kWh/mês de 2009 para 2010, e da base de consumidores conectados à rede — entre dezembro de 2009 e de 2010 foram realizadas 2,064 milhões de novas ligações. O aumento ocorreu em todas as regiões, com destaque para os resultados no Norte e no Nordeste, que registraram os maiores acréscimos tanto para o número de unidades quanto para o consumo médio. No Nordeste, este indicador superou, pela primeira vez desde o racionamento de 2001, o patamar de 100 kWh/mês.

Assim, os maiores aumentos do consumo residencial foram registrados no Norte (12,6%) e no Nordeste (12,0%), ocorrendo de forma vigorosa em todos os estados das duas regiões. As taxas se situaram entre 8,1% (Pernambuco) e 22,6% (Piauí), sendo que, no Norte, o crescimento sempre registrou taxas de dois dígitos.

O consumo comercial registrou 69.086 GWh em 2010, expandindo 5,9% frente a 2009. O aumento da renda e do crédito também funcionou como estímulo ao comércio e ao setor de serviços, e isso se deu de forma mais intensa no Norte e no Nordeste. Segundo o Banco Central, até outubro, cerca de R$ 1,5 bilhão foram direcionados ao comércio, equivalente a um aumento de quase 10% sobre 2009. Segundo o Ministério do Trabalho o emprego formal no comércio e serviços superou o saldo de 1,610 milhão de postos em 2010, absorvendo 64% do total de vagas criadas.

Observa-se, assim, um contínuo processo de instalação de estabelecimentos comerciais, em especial no Norte e no Nordeste, muitos de elevado padrão de consumo, como hipermercados e redes atacadistas. Verifica-se, também, expansão de vários segmentos de prestação de serviços, entre os quais o de educação, saúde e turismo.

Dessa forma, o Norte e o Nordeste são destaques, com taxas respectivas de 11,0% e 8,9% em relação a 2009. No Norte, Tocantins apresenta crescimento da ordem de 17%, fruto da instalação no estado de grandes redes de supermercado e de lojas de departamento.

Nos demais estados da região, as taxas se situam entre 9,0% (Roraima) e 13,3% (Amapá). No Nordeste, o aumento do consumo comercial também é disseminado, neste caso com as taxas variando de 5% (Sergipe) a 16,2% (Maranhão).

Acesse a íntegra da Resenha Mensal

Leia também

14/06/2024

Porto Alegre anuncia nova data para licitação de obras no CEIC após cancelamento de suspensão

14/06/2024

Webinar sobre crise climática e eventos extremos no Rio Grande do Sul

12/06/2024

SENGE SOLIDÁRIO | Campanha Solidariedade Técnica recebe demandas da comunidade

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato