12/01/2010

Vale e General Eletric investem em centros de pesquisas

Com a retomada dos investimentos após a crise, as empresas também estão tirando da gaveta projetos de inovação. Depois de uma redução no ritmo de contratação de financiamentos nas linhas para pesquisa e desenvolvimento, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contrariou a expectativa de queda e fechou 2009 com liberações pouco acima do patamar de 2008, de R$ 573 milhões.

Já a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) superou no ano passado R$ 900 milhões em operações de crédito, mais de 60% acima de 2008. Em 2010, projeta desembolso quase 80% maior: R$ 1,6 bilhão.

Na transição de 2009 para 2010, grandes companhias anunciaram investimentos em centros de pesquisa e parcerias para desenvolver novos produtos e processos. Na semana passada, a General Eletric anunciou a criação de um novo centro de pesquisas no Brasil, o quinto no mundo e o primeiro na América Latina de uma das empresas que mais investem em P&D no mundo: US$ 6 bilhões por ano. O valor do investimento e o local do centro não foram definidos, mas ele deve sair do papel em 2011.

Multinacional brasileira, a Vale anunciou em dezembro a criação do seu instituto tecnológico e vai construir três novos centros de pesquisa no País. Ainda este ano, a empresa contrata 50 cientistas e define terrenos e projetos dos centros que vai erguer em São Bernardo do Campo (SP), Ouro Preto (MG) e Belém (PA). Em dois anos e meio, a Vale vai desembolsar R$ 72 milhões dos R$ 120 milhões do investimento total para os três centros, complementado por fundações de fomento dos Estados.

Depois de três anos de estudos, a mineradora criou o Instituto Tecnológico Vale (ITV) para dar coordenação às unidades de pesquisa da companhia, que planeja investir R$ 140 milhões este ano em P&D. Além dos novos centros, o ITV vai promover a sinergia dos que a Vale já tem, como os pioneiros de Belo Horizonte, o Centro de Excelência em Logística inaugurado há duas semanas no Espírito Santo e o centro de pesquisas da Inco, no Canadá, herança da aquisição da subsidiária em 2006. Segundo Luiz Mello, diretor do ITV, a intenção da Vale é ter mais projetos de longo prazo que a empresa vinha deixando de lado diante da diversidade de interesses e áreas de atuação.

"Quando a pesquisa é descentralizada, a tendência é o foco ficar mais no curto prazo. A pressão da unidade de negócio é muito grande e falta tempo para pensar no futuro", explica Mello. Para ele, a pesquisa pode dar as soluções que a mineradora precisa para compatibilizar sua atividade com a crescente restrição da legislação ambiental no mundo."Existe na Vale a consciência de que está em curso a mudança de uma economia de mercado para uma economia verde", diz.

Depois de se tornar o maior laboratório farmacêutico do País a reboque do sucesso dos genéricos, a EMS aposta na biotecnologia para aumentar o seu portfólio. No mês passado, assinou um acordo técnico-científico com o laboratório chinês Shangai Biomabs, para o desenvolvimento e produção de biofármacos na sua unidade em Hortolândia (SP) em até cinco anos. Lá, a empresa construiu um moderno centro de pesquisas, para o qual direciona 6% do seu faturamento de R$ 2 bilhões e onde já emprega 200 cientistas.

Em vez de investir num centro próprio, a telefônica Oi prefere o modelo de inovação aberta. Em dezembro, fechou convênios com quatro instituições de pesquisa em busca de inovações na área de transmissão de dados. A companhia quer aproveitar o estoque criativo de universidades e institutos, como o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), em Florianópolis. Lança o desafio e paga para quem entregar a solução.

"É uma forma nova de inovar. A empresa fica focada no mercado e vai buscar na academia as soluções. É um modelo parecido ao da Apple nos Estados Unidos", explica José Alberto Aranha, diretor do Instituto Gênesis, incubadora de empresas de base tecnológica da PUC-Rio que também assinou convênio com a Oi. A companhia, que recentemente recebeu financiamento de R$ 4,4 bilhões do BNDES para investimentos, não quis revelar seus gastos com inovação.
Fonte: Jornal do Comércio 11/01/2001 – Agência Estado

Leia também

15/04/2024

Programa SENGE Solidário celebra três anos em evento nesta quinta-feira (18/04). Participe!

15/04/2024

Artigo | Programa SENGE Solidário aproxima quem sabe fazer de quem mais precisa

12/04/2024

Dia Nacional de Conservação do Solo: Engenheiros Agrônomos ressaltam a importância da preservação

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

Livro SENGE 80 anos

Uma entidade forte, protagonista de uma jornada de inúmeras lutas e conquistas. Faça o download do livro e conheça essa história!

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato