29/06/2022

Abordagens em defesa da aprovação ao PLC 39/2020 banalizam a Segurança contra Incêndios no RS

A tentativa de flexibilização da Lei Kiss sofreu um novo revés nesta segunda-feira (27), quando o proponente do PLC 39/2020, deputado Paparico Bacci, anunciou a retirada do projeto da pauta de votações da Assembleia Legislativa ao término da Audiência Pública realizada no Plenarinho.

O diretor de Negociações Coletivas do SENGE, João Leal Vivian, é o representante do Sindicato nas articulações que buscam a preservação da Responsabilidade Técnica inerente aos profissionais de Engenharia e Arquitetura no texto da lei estadual e, ao mesmo tempo, evitar que técnicos industriais passem a atuar sob prerrogativas que sua formação não alcança.

Para ele, os sucessivos adiamentos da votação são demonstrações claras de que a questão já chegou à sociedade, o que provoca significativa hesitação por parte de parlamentares que até então inclinavam-se em favor o PLC.

João Leal Vivian respondeu perguntas do Engenheiro Online, boletim do SENGE. Confira:

Engenheiro Online: por que o Senge é contra o PLC 39/2020?

Vivian: no nosso entendimento, os técnicos não têm formação adequada para atuarem em algumas medidas de segurança que exigem formação básica e finalística inerentes a formação de engenharia e arquitetura. Se isso vier a prevalecer, irá atacar diretamente os principais pilares da Lei Kiss e comprometer a segurança contra incêndio no Rio Grande do Sul.

Engenheiro Online: com qual argumentação o Conselho Regional de Técnicos Industriais defende a flexibilização introduzida no PLC 39/2020?

Vivian: a entidade dos técnicos sustenta que com a flexibilização, as emissão de alvarás de funcionamento de diversos tipos de estabelecimentos poderiam ser expedidos de forma mais rápida. Isso é uma deformação, uma interpretação equivocada dos conceitos elementares de segurança contra incêndio. Justificam que, ao fazerem parte do CREA, possuíam essa atribuição e na separação do conselho, ficaram de fora, e o PLC seria uma mera adequação. É inadmissível concordar uma postura dessa, pois estão simplesmente fazendo uma banalização do termo PPCI para justificar o projeto de lei. O termo PPCI é um jargão de mercado, mas temos que fazer um amplo debate com todos os agentes da área de segurança, prevenção e proteção contra incêndios, que é muito maior que um simples Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios – PPCI. A Engenharia de Segurança contra Incêndios inicia na concepção dos projetos arquitetônicos e depois vem acompanhado da parte específica que são: laudos técnicos, especificações, memoriais, planos, projetos de medidas de segurança contra incêndios, execuções, manutenções, operação, treinamentos. Ou seja, é uma área multidisciplinar e precisamos entendê-la antes de qualquer simplificação ou generalização como está sendo colocado ao debate por parte do deputado proponente e pelas entidades dos técnicos. Não podemos concordar com qualquer banalização ou interpretação equivocada que coloque a sociedade gaúcha em risco.

Engenheiro Online: qual o papel do CREA-RS, do CAU-RS e demais entidades de Engenharia e Arquitetura nesta questão?

Vivian: o SENGE vem atuando em parceria com o CREA-RS e CAU-RS que lideram esse processo em conjunto com as demais entidades de Engenharia e Arquitetura. Essa unidade é fundamental para a discussão que está posta.

Engenheiro Online: quais são, em síntese, os argumentos que sustentam a posição do SENGE contrária ao PLC 39/2020?

Vivian: são três. A primeira é a formação básica e finalística dos engenheiros e arquitetos que estão diretamente conectadas com laudos, planos, projetos, execução, manutenção e operação de medidas de segurança contra incêndios, que relacionadas com os objetivos da Lei Kiss estadual, entendemos que são os pilares para um bom atendimento e implantação da segurança contra incêndios nas edificações e áreas de risco. A formação dos técnicos industriais de nível médio, no nosso atendimento, não os habilita para essas atividades relativas a medidas de segurança, nos levando a afirmar que se não tem habilitação para projetar, planejar, executar determinadas medidas de segurança contra incêndios, não conseguem contemplar o atendimento dos objetivos da lei, levando sim a uma fragilização e precarização da lei complementar nº 14376/2013. Em segundo lugar, consideramos a pretensão dos técnicos uma afronta a Lei Federal 13.425/2017. Por fim, a completa ausência de justificativas de cunho técnico e de formação acadêmica e curricular no PLC 39/20220, que sustentem a alteração da Lei Kiss.

Engenheiro Online: Os técnicos sustentam a aprovação do PLC 39/2020 baseados em uma afirmativa que sempre fizeram PPCIs e, após a criação do sistema CFT/CRTs, ficaram sem poder exercer suas profissões na área de Segurança contra Incêndios. O que você poderia relatar sobre esse fato?

Vivian: O nosso entendimento, sendo bem objetivo, é que os técnicos podem ter atuado à margem da lei ou à margem do sistema de emissão de ARTs (Anotações de Responsabilidade Técnicas) do CREA-RS. E se isso aconteceu e for detectado pelos conselhos, esses documentos devem ser anulados. Outra possibilidade é que os técnicos estão atuando à margem da lei, elaborando CLCB (Certificados de Licenciamentos) e PSPCI (Planos Simplificados) no RS pois são processos administrativos e não necessitam da apresentação de ART em seus protocolos, o que não isenta a emissão desses documentos e a fiscalização por parte dos conselhos. Entendemos que tanto o CREA, como o CAU, devem sim iniciar imediatamente a fiscalização de todos os planos simplificados e certificados de licenciamentos no Estado a fim de coibir o exercício ilegal da profissão na área de Segurança contra Incêndios no RS. Ao questionarmos os técnicos sobre a participação na área de Segurança contra Incêndios, eles relatam exemplos que são atividades a fins e correlatas à Segurança contra Incêndios e atividades a fins a formação dos técnicos, e poucas possuem conexão com as alterações propostas pelo PLC 39/2020. Entendemos que há uma enorme falha na interpretação e que precisamos conectar a pretensão do PLC com a pretensão dos técnicos, pois hoje está sendo tratado genericamente e talvez de uma maneira simplificada. Primeiro temos que caprichar na interpretação da lei vigente, fazer uma ampla interpretação sobre a organização da segurança contra incêndios e como essa discussão toda se conecta com as alterações propostas pelo PLC 39, para não cometermos erros. O PLC, como está posto, não há como avançar, pois há uma desconexão com a pretensão. Precisamos achar um ponto de equilíbrio. O que não podemos concordar é com a banalização da Engenharia de Segurança contra Incêndios usando-se do termo PPCI, pois é uma área multidisciplinar e está diretamente conectada com a segurança da sociedade gaúcha.

 

Assista a Audiência Pública para debater o PLC 39/2020

 

Confira outras ações do SENGE contrárias à flexibilização:

Leia também

23/02/2024

ARTIGO | Lifelong Learning: O futuro do trabalho e crescimento econômico

23/02/2024

Artigo | Palavra do Murilo – Seis décadas de luta pelos engenheiros e pelo país

23/02/2024

Últimos dias para inscrição no Curso Online de Tratamentos Térmicos dos Aços

Descontos DELL Technologies

Aproveite os descontos e promoções exclusivas para sócios do SENGE na compra de equipamentos, periféricos e serviços da DELL Technologies.

2º lugar em Preferência na categoria Sindicato

Marcas de Quem Decide é uma pesquisa realizada há 25 anos pelo Jornal do Comércio, medindo “lembrança” e “preferência” em diversos setores da economia.

Tenho interesse em cursos

Quer ter acesso a cursos pensados para profissionais da Engenharia com super descontos? Preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Realizar minha inscrição

Para realizar a sua inscrição, ao preencher o formulário a seguir, escolha o seu perfil:

Profissionais: R$ 0,00
Sócio SENGE: R$ 0,00
Estudantes: R$ 0,00
Sócio Estudantes: R$ 0,00
CURRÍCULO

Assine o Engenheiro Online

Informe o seu e-mail para receber atualizações sobre nossos cursos e eventos:

Email Marketing by E-goi

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Tenho interesse em me associar

Se você tem interesse de se associar ao SENGE ou gostaria de mais informações sobre os benefícios da associação, preencha seus dados a seguir para que possa entrar em contato com você:

Ao fornecer seu dados você concorda com a nossa política de privacidade e a maneira como eles serão tratados. Para consulta clique aqui

Entre em contato com o SENGE RS

Para completar sua solicitação, confira seus dados nos campos abaixo:

× Faça contato